Cirurgia para retirar amígdalas: saiba quando ela é necessária

É difícil encontrar uma criança que nunca tenha tido febre causada por dor de garganta, mas existem poucas situações em que a cirurgia é o caminho indicado para resolver o problema, mesmo que ele seja recorrente. De acordo com estudo da Universidade de Birmigham, sete a cada oito cirurgias para extração das amígdalas feitas em crianças não trazem benefícios para os pacientes.

Os pesquisadores analisaram dados de atendimento de cerca de 1,6 milhões de criança que tiveram amigdalite entre 2005 e 2016. Dessas, 18271 fizeram cirurgia para a extração das amigdalas, mas apenas 2144 apresentaram um quadro clínico que justificasse o procedimento.

Em entrevista à Crescer, a otorrinolaringologista Renata Garrafa, do Hospital Paulista (SP), explicou que a cirurgia é cada vez menos realizada no Brasil desde a década de 70. “Atualmente, temos critérios bem claros em relação à necessidade dessa cirurgia, considerada de pequeno e médio porte. Ela requer anestesia geral, então tem complicações que podem surgir daí, e há também o risco de sangramento durante o procedimento e no pós operatório. O período de recuperação costuma ser muito doloroso e o paciente pode ter dificuldade alimentar e mais risco de desidratação. Por outro lado, com o passar do tempo, os antibióticos se tornaram mais eficientes e os médicos acabam dando prioridade a eles no tratamento de infecções bacterianas”, explica.

Confira, de acordo com otorrinolaringologista, em que casos a cirurgia é indicada:

  • Aumento do tamanho das amígdalas, conhecido como hipertrofia, a ponto de causar problemas de respiração, alterações na face, no sono, na deglutição ou na fala.
  • Complicações sérias de amigdalites anteriores, como abcesso.
  • Amigdalites bacterianas de repetição, desde que haja mais de sete infecções em um ano, mais de cinco infecções por ano em um período de dois anos ou mais de três infecções por ano em um período de três anos.

 

Fonte: https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2018/11/cirurgia-para-retirar-amigdalas-saiba-quando-ela-e-necessaria.html

Cabeça e Pescoço: Você sabe quando procurar essa especialidade? Dr. André Forster

Algumas dúvidas podem surgir em relação a especialidade de Cabeça e Pescoço.

Para te ajudar, entrevistamos o Dr. André Forster, Cirurgião de Cabeça e Pescoço do Hospital Paulista de Otorrinolaringologia que nos esclareceu algumas duvidas e nos deu orientações sobre quando procurar essa especialidade

 

A especialidade tem por objetivo fazer um acompanhamento ou investigação de doenças mais graves que acometem a região da cabeça e pescoço, tendo como maior foco o tratamento e cirurgias de tumores benignos e malignos localizados nas regiões da face (nariz, ouvido, garganta, língua e tireoide), intervindo também em casos de nódulos, cistos e lesões de pele na região” esclarece o Dr. André Forster. Em muitos casos esses profissionais trabalham em conjunto com outras especialidades como Otorrinos, Dentistas, Endócrinos, entre outros.

 

Para que não haja dúvidas relacionamos abaixo os casos tratados ou não por esse especialista:

  • Dores de cabeça (tratamento com o neurologista);
  • Dores no pescoço (quando na parte de trás, melhor opção é um ortopedista de coluna, porem se houver nódulos deve ser um caso para o cirurgião de cabeça e pescoço);
  • Tumores cerebrais (tratamento com o neurocirurgião, salvo casos raros que podem necessitar da ação conjunta do neurocirurgião e do cirurgião de cabeça e pescoço);
  • Doenças do ouvido, nariz e garganta (tratamento com o Otorrinolaringologista, mas se houver suspeita de câncer nesses órgãos haverá necessidade de avaliação do cirurgião de cabeça e pescoço);
  • Feridas na pele, boca, afta na boca, dor ao engolir ou engasgos (que sejam suspeitas de câncer, o médico cirurgião de cabeça e pescoço deve ser procurado);

 

Conscientização é o caminho para prevenção

Em 27 de Julho, é comemorado o Dia Mundial da Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço. Prevenir fazendo o autoexame é o melhor caminho. Os tumores se manifestam como nódulos no pescoço ou na face, observe o surgimento de caroços, feridas na boca ou na pele, rouquidão, obstrução ou sangramento nasal. Saiba que tumores em fase inicial não causam dor, por isso não espere o sintoma para procurar um médico. Há uma grande chance de cura quando o caso é detectado no estagio inicial. Não podemos deixar de citar alguns vilões dessas doenças que são o tabagismo e o alcoolismo, eles são os grandes responsáveis pela maior parte de lesões malignas de cabeça e pescoço.

O Dr. André enfatiza sobre a importância de se procurar um especialista quando tiver a suspeita de tumores nas regiões da cabeça e pescoço, além das prevenções que podem ser feitas através de mudança de hábitos a fim de evitar as chances de adquirir essas doenças.

 

Dr. André Forster – Cirurgião de Cabeça e Pescoço.

Laringoscopia: conheça mais sobre esse exame

Permitindo que o médico observe as vias aéreas superiores (nariz, laringe e faringe) por meio de um aparelho endoscópio, chamado laringoscópio, o exame é realizado principalmente no diagnóstico de problemas da laringe (via aérea responsável pela produção de som).

A laringoscopia também pode ser útil na realização de intervenções terapêuticas tais como retirada de pólipos e nódulos, cauterização de lesões vasculares, dilatação de estreitamentos, retiradas de corpos estranhos e permite o controle da evolução de algumas cirurgia e patologias.

 

  • Para quem é indicada?

Sendo útil para diagnosticar lesões orgânicas ou funcionais localizadas na cavidade oral, orofaringe, hipofaringe, laringe e cordas vocais.

  • O que é Laringoscopia? – Indicações

A laringoscopia é uma ferramenta útil no diagnóstico de lesões orgânicas ou funcionais localizadas na cavidade oral, oral, orofaringe, hipofaringe, laringe e cordas vocais. O exame é solicitado nos casos de pacientes que apresentam:

  • Tosse crônica ou acompanhada de sangue;
  • Dificuldade/dor para engolir ou mastigar;
  • Rouquidão, ou disfônica prolongadas;
  • Surgimento de aftas com frequência;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Dor de garganta crônica;
  • Suspeita de câncer;
  • Tabagismo crônico;
  • Sensação de possuir um caroço na garganta;
  • Histórico familiar de câncer de cabeça ou pescoço.
  • Contraindicações:

Por ser um exame considerado simples, cabe ao médico avaliar cada caso especifico, há pacientes que precisam de maior atenção que são os portadores de cardiopatias graves, doenças pulmonares crônicas, distúrbios neurológicos ou alérgicos aos medicamentos usados no exame.

Estomatite, você sabe o que é?

Embora a palavra nos remeta a estômago, estomatite vem da palavra grega “stoma” que significa boca, é caracterizada por qualquer processo inflamatório que afete a mucosa bucal, provocando lesões nas bochechas, céus da boca, amigdalas, língua e boca.

Estomatite trata-se de uma infecção muito comum em crianças e que pode ser causada pelo vírus do herpes simples, ou pelo coxsackie, sendo o primeiro mais comum. Sua prevalência pode aumentar nos períodos de outono e inverno devido à aglomeração de pessoas em ambientes fechados, favorecendo a propagação viral.

 

 

Há alguns tipos de Estomatite:

Estomatite aftosa: caracterizada pelo aparecimento de úlceras, aftas, feridas, vermelhidão e dor na boca, na maioria das vezes surge quando o sistema imunológico está enfraquecido.

Estomatite Herpética: caracterizada pelo aparecimento de manchas vermelhas na boca e garganta, pode ocorrer sangramento na gengiva, é também conhecida como gengivoestomatite herpética, manifestando-se ao primeiro contato com o vírus.

Saiba como prevenir!

A melhor forma de prevenção é manter uma boa higienização da boca, das mãos e evitar contato com pessoas contaminadas.

 

Principais Tratamentos

Ao ser identificada a causa da infecção, o tratamento pode concentrar-se na prescrição de medicamentos antivirais, na adoção de uma dieta baseada em líquidos e/ ou analgésicos para amenizar a dor.

 

Lembre-se! A automedicação não é recomendada. Procure sempre um especialista!

 

Você sabe quando procurar um Médico Otorrinolaringologista?

Muitas vezes chamado de Otorrino, o médico Otorrinolaringologista, é um especialista em ouvido (Oto), nariz (rino) e garganta (laringo), e cuida de uma série de doenças que muitas vezes não relacionamos ao especialista. Para te ajudar, listamos abaixo alguns sintomas e doenças que ao surgirem devemos procurar este especialista:

 

  • Alguns sintomas mais comuns são:

  • Obstrução nasal
  • Dor de ouvido (otalgia)
  • Dor de garganta
  • Dor de cabeça (cefaléia)
  • Dor na face
  • Secreção nasal
  • Sangramento nasal (epistaxe)
  • Dificuldade auditiva/surdez
  • Secreção no ouvido (otorréia)
  • Sangramento no ouvido (otorragia)
  • Rouquidão (disfonia)
  • Roncos
  • Tontura
  • Zumbido

 

  • As principais doenças são:

  • Amigdalite/faringite
  • Distúrbios da deglutição
  • Rinites
  • Sinusites
  • Desvio do septo nasal
  • Polipose nasal
  • Distúrbios do sono (apneia)
  • Diminuição da acuidade auditiva/surdez
  • Otites
  • Paralisia facial
  • Alterações das pregas vocais
  • Distúrbios do labirinto

 

A avaliação do médico Otorrinolaringologista é muito importante para o diagnóstico e tratamento das doenças que se manifestam com esses sintomas. O tratamento geralmente é clínico, porém dependendo da doença pode haver necessidade de tratamento cirúrgico.

Sinusite é uma das queixas mais recorrentes no Hospital Paulista

Doenças de inverno representam mais de 55% dos atendimentos no PS e Ambulatório

É possível perceber que o inverno está chegando quando as pessoas passam a usar roupas mais pesadas, como casacos, toucas e cachecóis e , também, quando se intensificam as queixas de doenças como rinite, sinusite, amidalite, otite e gripe. As chamadas doenças de inverno lotam os ambulatórios e prontos-socorros de hospitais de São Paulo, como é o caso do Hospital Paulista, especializado em Otorrinolaringologia.

Mais de um mês antes da estação mais fria do ano chegar as temperaturas começaram a baixar e, com isso, o Pronto-Socorro do Hospital já vinha recebendo um número considerável de pacientes com queixas de doenças relacionadas às vias respiratórias. Cerca de 55% dos 7 mil atendimentos realizados entre os dias 1 e 31 de maio foram direcionados aos pacientes com sinusites, gripes e amigdalites.

Somente no Ambulatório do Hospital Paulista, por exemplo, o número de pacientes de 0 a 17 anos com queixa de rinite representou 43% do total de atendimentos. Quando falamos em sinusites, o quadro aumenta se comparado ao mesmo período do ano em 2017. A procura pelo Pronto-socorro do Hospital, na mesma faixa etária, cresceu 47%.

As amigdalites também são uma das principais doenças que levam aos prontos-socorros e ambulatórios. Confundida comumente com gripes comuns, elas precisam de mais atenção e cuidado especial. Só em maio, no Hospital Paulista, mais de 400 casos foram diagnosticados.

Comum em todas as épocas do ano, mas agravadas durante as mais frias, as otites levaram mais de 700 pessoas ao Hospital em maio, sendo a maioria crianças.

Confira reportagem especial que a TV Band fez com dicas de nosso especialista, Dr. Gilberto Ulson Pizarro!

http://noticias.band.uol.com.br/jornaldaband/videos/ultimos-videos/16462218/vacina-da-gripe-ficara-disponivel-ate-fim-de-estoques.html

Conheça o exame detecta causa da halitose em apenas oito minutos

A halitose pode causar muitos constrangimentos. A boa notícia é que existe tratamento e o diagnóstico está ainda mais rápido e preciso. O Hospital Paulista de Otorrinolaringologia é um dos únicos hospitais em São Paulo a oferecer o exame que detecta a presença e a causa da halitose em apenas oito minutos.

Para realizar o exame há um preparo. O paciente deve ficar sem escovar os dentes por 4 horas, por exemplo. No Hospital, colhe-se o ar da boca do paciente através de uma seringa e injeta-se no aparelho chamado Oralchroma, que detecta a presença e a quantidade dos três principais gases causadores do mau hálito.

A Dra. Lígia Maeda, especialista em halitose do Hospital Paulista, ensina que existem três principais causas do mau hálito: má higiene da língua, problemas dentários e causas sistémicas, como refluxo, doenças pulmonares e do fígado ou outras alterações sistêmicas do organismo. “Esse exame é muito bom, pois mostra ao paciente algo palpável, tanto para diagnóstico como para acompanhamento”, reforça.

Na maioria das vezes a pessoa não sabe que tem mau hálito. O assunto é um tabu tão grande que a Associação Brasileira de Halitose (ABHA) criou a campanha SOS Mau Hálito em que é possível enviar anonimamente uma carta ou um e-mail a um amigo que sofra de halitose. “Geralmente, o primeiro sintoma da halitose é a reclamação de alguém. A pessoa raramente sente, mas deve-se ter em mente que há tratamento”, conscientiza a Dra. Lígia Maeda.

FAQ – Perguntas e Respostas:

Quanto tempo leva o tratamento?

O tempo do tratamento depende da causa.

Halitose é uma doença?

A halitose não é uma doença, mas sua presença pode apontar para a presença de algumas doenças.

Quantas pessoas têm halitose no Brasil?

No Brasil estima-se que 30% da população tenha halitose. No mundo, a porcentagem chega a 44%, em alguns estudos.

Interessante…

Pacientes com halitose tendem a ser introvertidos, evitam conversar próximo com pessoas ou conversam com a mão na boca. O mau hálito afeta a autoestima e acaba gerando isolamento social.

Pessoas que apresentam halitose têm dificuldade para entrar em relacionamentos.

Este tema também foi destaque no Portal Viva Bem Uol. Clique aqui!

 

Glossário: Polissonografia com CPAP e BIPAP

Você já ouviu falar em Polissonografia? Trata-se do exame indicado para pessoas que apresentam sintomas clínicos como ronco e sonolência diurna e precisam procurar um médico otorrinolaringologista para realizar um estudo completo de seu sono.

A partir desse estudo completo e posterior diagnóstico, o médico pode indicar como tratamento a Polissonografia com CPAP (Continuous Positive Airway Pressure – Pressão Positiva Contínua na Via Aérea) ou com BIPAP (Bilevel Positive Airway Pressure – Pressão Positiva em Dois Níveis na Via Aérea), que são formas eficazes de tratar a apneia obstrutiva do sono, por exemplo.

O CPAP é um aparelho que fornece pressão de ar através de uma máscara nasal responsável por desobstruir a via aérea responsável pela passagem de ar. Isso garante uma noite de sono mais tranquila e segura ao paciente diagnosticado com a apneia obstrutiva do sono. Além de ser a principal forma de tratamento para esta doença, realizado em domicílio, o aparelho CPAP também é utilizado no tratamento contra o ronco.

Já o BIPAB funciona da mesma forma que o CPAP, porém em dois níveis, criando e diminuindo a pressão do ar. Os aparelhos BIPAP ajustam a pressão do ar de forma automática fazendo mais pressão quando você inala e menos pressão quando você exala.

Gostaria de saber mais? Acesse: http://www.hospitalpaulista.com.br/sono-paulista/

A tosse pode ser alerta para outras doenças

Ao contrário do que muita gente pensa, tosse não é tudo igual! A função da tosse é proteger o organismo, sendo um reflexo natural do aparelho respiratório em processos irritativos ou quando é necessário expelir corpos estranhos da garganta (no caso do engasgo, por exemplo).

De acordo com a Dra. Sheila Maria Cardinali Tamiso, existem vários tipos de tosse, que são provocadas por estímulos diferentes. “A tosse é um sintoma multifatorial. Embora possa receber tratamento simples quando ocorre em doenças comuns como gripes e resfriados, é preciso sempre investigar a causa da tosse, do contrário, ela pode gerar doenças mais graves, como problemas cardíacos”, afirma a especialista.

Os principais tipos de tosse são:

  • Alérgica

    Seca e persistente, ocorre após um processo alérgico a partir do contato com um alérgeno (pelos de animais, perfume, pólen de flores, ácaros, entre outros). Os sintomas que acompanham a tosse são coriza, espirro, coceira na garganta e nariz entupido. Para esses casos, é recomendado evitar exposição ao alérgeno e realização da higienização do nariz com soro fisiológico.

  • Pulmonar

    Um problema crônico, normalmente presente em fumantes, e pode vir acompanhada de pigarro.

  • Tosse por Refluxo

    A tosse também pode ser causada em decorrência do refluxo, que é um retorno anormal da alimentação que acontece quando a pessoa se deita e pode afetar a laringe e a faringe. Como prevenção, é ideal evitar doces e alimentos gordurosos e se alimentar de maneira leve com pelo menos duas horas antes de dormir.

A doutora também ressalta a importância de ficar atento às causas da tosse e procurar orientação de um especialista sempre que necessário: “não menospreze a tosse. Ingerir chás, pastilhas, xaropes e mel não tratam o problema. Esses artifícios podem passar a sensação de bem-estar e diminuição da irritação, levando a uma falsa percepção de que o sintoma desapareceu, quando na verdade está apenas escondido”, finaliza.

Dormir bem é fundamental para a saúde e qualidade de vida!

É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos valores da sociedade industrial, esforçam-se por reduzir o número de horas de sono diário. Com isso acreditam, provavelmente, que um corpo “treinado” para dormir menos nos permita ampliar o número de “horas úteis” do dia, mantendo o mesmo desempenho.

Pura ilusão ou, mais provavelmente, uma boa dose de ignorância sobre a importância que o sono tem no funcionamento de nosso corpo e da nossa mente.

Dormir não é apenas uma necessidade de descanso mental e físico: durante o sono ocorrem vários processos metabólicos que, se alterados, podem afetar o equilíbrio de todo o organismo a curto, médio e, mesmo, a longo prazo. Estudos provam que quem dorme menos do que o necessário tem:

  • menor vigor físico;
  • envelhece mais precocemente;
  • está mais propenso a infecções;
  • está mais propenso à obesidade, à hipertensão e ao diabetes.

Alguns fatos comprovados por pesquisas podem nos dar uma ideia da importância que tem o sono no nosso desempenho físico e mental. Por exemplo, num estudo realizado pela Universidade de Stanford, EUA, indivíduos que não dormiam há 19 horas foram submetidos a testes de atenção.

Constatou-se que eles cometeram mais erros do que pessoas com 0,8 g de álcool no sangue – quantidade equivalente a três doses de uísque.

Igualmente, tomografias computadorizadas do cérebro de jovens privados de sono mostram redução do metabolismo nas regiões frontais (responsáveis pela capacidade de planejar e de executar tarefas) e no cerebelo (responsável pela coordenação motora). Esse processo leva a dificuldades na capacidade de acumular conhecimento e alterações do humor, comprometendo a criatividade, a atenção, a memória e o equilíbrio.

Neste sentido, a qualidade do sono está diretamente ligada a qualidade de vida e a promoção da saúde. E um próximo artigo, passaremos algumas dicas importantes para dormir bem!

Fonte: Dr. Braz Nicodemo Neto, otorrinolaringologista do Hospital Paulista.