Posts

Tabagismo mata mais de 8 milhões de pessoas no mundo anualmente

Considerado um fator de risco importante para o aparecimento de doenças crônicas não transmissíveis, o tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. O vício está relacionado ao desenvolvimento de aproximadamente 50 patologias, entre elas diversos tipos de câncer, doenças do aparelho respiratório e doenças cardiovasculares.

Dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde apontam o tabaco como responsável por mais de 8 milhões de mortes por ano no mundo e estimam que, até 2030, o vício pode ser responsável por 10% do total de mortes globais.

Em menção ao Dia Mundial sem Tabaco, lembrado em 31 de maio, Dra. Luciana Fernandes Costa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, destaca os principais problemas relacionados à especialidade que podem ser causados pelo cigarro.

“O hábito de fumar causa irritação na mucosa do nariz, boca e laringe. Entre os diversos problemas nestas regiões, o fumante pode desenvolver halitose, rouquidão ou, até mesmo, câncer na laringe.”

Conheça as principais doenças da voz, boca, garganta e ouvido, que podem estar relacionadas ao tabagismo.

 

Halitose

Além de higiene bucal inadequada, problemas dentários e causas sistêmicas, a halitose ou mau hálito, como é popularmente conhecido, pode ser uma das consequências do vício em cigarro.

Conforme a médica, o consumo excessivo de álcool e, principalmente, o tabagismo, podem agravar o problema.

 

Disfonia

Resultado de abusos vocais ou maus hábitos, como consumo excessivo de álcool e cigarro, além de falar e cantar demasiadamente sem realizar um preparo adequado – principalmente para os profissionais que trabalham com a voz –, a disfonia também é um problema bastante comum em fumantes.

“Ela é caracterizada pelas alterações na qualidade vocal, com peculiaridades como aspereza, fraqueza, soprosidade e instabilidade”, destaca Dra. Luciana.

“A exposição prolongada da mucosa laríngea ao cigarro compromete o movimento do tecido da corda vocal alterando a qualidade da voz, além de ocasionar sensação de ardor, pigarro e a presença de secreções”, destaca Dra. Luciana.

 

Câncer na laringe

O câncer atinge as cordas vocais ou qualquer outra estrutura da laringe, podendo ser identificado ainda no início, a partir de uma rouquidão. “É extremamente importante buscar um otorrinolaringologista caso rouquidões apareçam, para que o motivo real do problema seja corretamente identificado.”

Fumantes têm muito mais chances de contrair este tipo de câncer. Segundo a médica, é necessário que o indivíduo fique sem fumar em torno de dez a quinze anos para que o risco de desenvolver a doença seja igual ao de um não fumante.

“O diagnóstico, em um estágio inicial, eleva muito as chances de sucesso no tratamento.”

A especialista explica que outro ponto de extrema importância para o tratamento é o abandono do tabagismo, já que o hábito de fumar está presente como fator de risco para o desenvolvimento de câncer em outras regiões da cabeça e pescoço, além de pulmão entre outros.

 

Câncer de boca e faringe

O câncer na boca pode acometer os lábios e o interior da cavidade oral, incluindo língua, gengiva e bochechas. A doença também pode se instalar na faringe, estrutura comum ao aparelho digestivo e respiratório, localizada à frente da coluna cervical.

“O indivíduo que bebe e fuma tem os riscos consideravelmente elevados de desenvolver o problema nestas regiões do corpo.”

Perda auditiva

Poucas pessoas sabem, mas o tabagismo pode estar associado também à perda de audição. “O cigarro é composto por uma série de substâncias químicas tóxicas e altamente nocivas, que impedem a oxigenação do organismo, causando prejuízos irreversíveis às células do ouvido, como a perda auditiva”, explica a especialista.

Entre os componentes, a médica destaca o cianeto de hidrogênio – gás utilizado para matar baratas, cupins e outras pragas –, que age exatamente bloqueando a recepção do oxigênio pelo sangue, quando utilizado em altas concentrações.

Conheça a tireoplastia, cirurgia capaz de deixar a voz mais grave ou aguda

A voz é uma característica única de cada pessoa. É um meio essencial de se comunicar com o próximo e, por meio dela, uma série de emoções diferentes como alegria, tristeza, nervosismo e tantas outras podem ser transmitidas.

Além de condições de saúde e alterações respiratórias que podem afetar a voz, existem fatores capazes de impactar a qualidade sonora, fazendo com que muitas pessoas se sintam insatisfeitas com o som que emitem. Este é o caso de homens que possuem a voz muito aguda, mulheres com voz muito grave e até mesmo pessoas transgênero, cujas vozes podem não ser as mais almejadas por elas, de acordo com sua personalidade ou identificação.

A medicina já possui solução para esse tipo de incômodo. A insatisfação com a voz pode ser resolvida por meio da tireoplastia, uma cirurgia realizada no esqueleto laríngeo – conhecido como caixa da voz – através de pequenas incisões. Alexandre Enoki, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, explica como o procedimento funciona.

“Tireoplastias são cirurgias de laringe que abordam a cartilagem da tireoide, popularmente conhecida como pomo de Adão. Diferente de outros procedimentos feitos na laringe, nas tireoplastias não há uma manipulação direta das cordas vocais”, explica.

 

Tipos de tireoplastias

De acordo com o especialista, existem quatro tipos de tireoplastias: a do tipo I é indicada, principalmente, para o tratamento de pacientes com alterações da voz ou engasgos por paralisia unilateral de cordas vocais.

O tipo II é um procedimento indicado para o tratamento de pacientes com dificuldades de respirar, causado por paralisia das cordas vocais em posição fechada bilateralmente. “Atualmente, essa cirurgia está em desuso por já existirem outras que a substituem com melhor eficácia”, esclarece.

A tireoplastia do tipo III ajuda a tornar a voz mais grave, ela faz um relaxamento na frequência da voz para torná-la mais grossa, enquanto a do tipo IV tem como objetivo tornar a voz mais aguda. Nela, são realizados pontos para esticar as pregas vocais capazes de afinar o som emitido.

 

Glotoplastia

Dr. Enoki explica as diferenças entre a tireoplastia do tipo IV e a glotoplastia, considerada uma das técnicas cirúrgicas mais eficazes para feminilização da voz.

“Ambas têm a mesma finalidade, que é tornar a voz mais aguda. A diferença é que a tireoplastia de tipo IV é realizada na cartilagem da tireoide, por meio de uma incisão no pescoço. Já a glotoplastia atua diretamente nas cordas vocais, sem a necessidade de incisão, sendo realizada pela boca”.

 

Como é feita a cirurgia

A tireoplastia pode ser realizada sob anestesia geral ou mesmo local, com sedação, a depender do quadro do paciente.  Trata-se de uma cirurgia realizada por meio de uma incisão no pescoço, onde, na maioria das vezes, o indivíduo deve permanecer em repouso vocal por aproximadamente sete dias.

De acordo com o médico, é comum que as pessoas que passam pelo procedimento necessitem realizar fonoterapia – técnica aplicada para trabalhar problemas na fala – como complemento do tratamento.

Apesar de sua ampla recomendação, Dr. Enoki explica que nem todas as pessoas que desejam passar pela cirurgia para mudar o timbre de voz podem se beneficiar pelo procedimento.

“Em alguns casos, os resultados podem ser muito significativos, mas há aqueles em que as alterações são muito discretas. A avaliação prévia com especialista é importante para que os pacientes fiquem cientes dos benefícios, riscos e limites de resultado da cirurgia.”

Voice Center – Centro Especializado em Laringe e Voz

 

Considerado há 27 anos um centro de excelência em Endoscopia Otorrinolaringológica, o Voice Center do Hospital Paulista passou, recentemente, por uma reestruturação para oferecer tratamentos específicos de laringe, com uma abordagem completa do início ao fim e uma equipe altamente especializada.

Atualmente, o espaço é responsável pela realização de procedimentos cirúrgicos delicados, que incluem microcirurgias de laringe convencional ou com laser, injeções de botox para disfonia espasmódica e os diferentes tipos de tireoplastias.

Hospital Paulista alerta para cuidados com saúde da voz dos professores na volta às aulas

O ano letivo teve início em fevereiro para ao menos 17 capitais do Brasil. Apesar de a maioria dos professores ter mantido seus trabalhos de forma virtual durante o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19, o retorno às salas de aulas exige muito mais da voz, já que ela é uma das principais ferramentas de trabalho destes profissionais.

Conforme a otorrinolaringologista do Hospital Paulista Dra. Luciana Fernandes Costa, os professores são considerados grupo vulnerável aos distúrbios vocais, devido ao seu uso intenso no dia a dia. A especialista destaca que a estimativa de prevalência dos distúrbios vocais na população geral encontra-se entre 6% e 15%, enquanto, em professores, esses índices podem variar entre 50% e 80%, com gravidade para cerca de 12%.

“Entre as lesões mais presentes estão as denominadas fonotraumáticas – que se desenvolvem a partir de padrões vocais inadequados, secundários à sobrecarga fonatória. Há também uma ampla probabilidade de nódulos vocais, seguidos por pólipos e alterações estruturais mínimas”, alerta Dra. Luciana.

Os professores também têm grandes chances de desenvolver disfonia, alteração de algumas das qualidades acústicas da voz, tais como intensidade ou volume da voz. “As consequências da disfonia persistente podem ser devastadoras para o desempenho profissional, por vezes resultando em afastamentos e/ou remanejamento para tarefas administrativas”, complementa a especialista.

A prevenção é a principal forma de combater os distúrbios vocais. Segundo a médica, os fatores de risco à disfonia incluem extensa jornada de trabalho, frequentemente superior a 40 horas semanais; número excessivo de alunos por sala de aula, já que demandam mais atenção e desgaste vocal; e instalações inadequadas, incluindo elevado ruído ambiental e lousa com pó de giz.

“Esses fatores fazem com que os professores aumentem a intensidade da voz para manter a atenção dos estudantes, sendo essa a essência do fonotrauma, podendo levar ao desenvolvimento de lesões laríngeas.”

A idade e o tempo de profissão também são considerados fatores de risco para o desenvolvimento de lesões na laringe. Por conta da correria diária, grande parte dos professores substitui as refeições convencionais por lanches e fast-foods, favorecendo os distúrbios gastrointestinais, principalmente o refluxo gastroesofágico, importantes causadores da laringite.

“Doenças neurológicas ou endócrinas, hábitos tabágicos ou alcoólicos e problemas respiratórios superiores recorrentes também podem comprometer a qualidade vocal”, reitera a especialista.

Uso de máscaras

Mesmo com as crianças voltando às aulas e a vacinação em estágio avançado, é importante manter as medidas sanitárias que ajudam a evitar a disseminação do vírus. Nesse sentido, é fundamental manter o distanciamento, a higienização das mãos e o uso correto das máscaras, que devem sempre cobrir nariz e boca.

Dra. Luciana ressalta que é possível e necessário lecionar utilizando o item.

“Busque algum modelo de máscara que seja seguro e que permita a livre mobilidade da mandíbula, realizando pausas vocais para descanso e hidratação, em ambiente seguro.”

Equipe multidisciplinar

Uma boa hidratação vocal e a escolha de alimentos que não ressequem a garganta e causem pigarro, além de intervalos entre o uso da voz, são de extrema importância para a manutenção da saúde vocal, mas nem sempre são suficientes.

A fonoaudióloga Bruna Rainho Rocha destaca ser importante ainda o apoio de um fonoaudiólogo, que pode auxiliar em situações de desconforto, cansaço vocal, rouquidão e falhas e mudanças na voz ao longo do dia ou da semana.

“Os profissionais também trabalham com estratégias de comunicação em geral, como o correto uso do microfone, escolha de vocabulário, uso de gestos e até adequação da postura para falar”, explica.

Segundo Bruna, a própria fonoaudiologia pode ser um método preventivo aos problemas vocais. “Mesmo que não apresentem alterações, tanto professores como os demais profissionais que fazem uso intenso da voz podem procurar um fonoaudiólogo. Nestes casos, para fazer condicionamento vocal e aprender estratégias para o seu uso correto, podendo, assim, evitar eventuais problemas na voz e na comunicação.”

De acordo com a Dra. Luciana, ao perceber sintomas como rouquidão, fadiga, cansaço vocal, instabilidade na voz, dor ou desconforto na garganta e esforço para falar, principalmente de forma recorrente, é necessária uma avaliação médica.

“Os problemas vocais podem não ser transitórios, e muitos casos exigirão tratamento e acompanhamento multidisciplinar do médico e do fonoaudiólogo, podendo, inclusive, envolver opções medicamentosas ou cirúrgicas”, finaliza a especialista.

Centro de Diagnóstico em Otorrino

O Centro de Medicina Diagnóstica em Otorrino do Hospital Paulista conta com equipamentos modernos e de alta tecnologia, além de profissionais especializados que garantem o máximo de segurança e precisão na realização dos exames.

Entre os destaques do Centro de Diagnóstico está o Voice Center – Centro Especializado em Laringe e Voz, que realiza exames para diagnósticos de distúrbios da voz, deglutição e refluxo faringo-laríngeo. Recentemente, ele foi ampliado para oferecer também tratamentos específicos de laringe, com uma abordagem completa.

Com a expansão dos serviços, o centro passou a realizar procedimentos cirúrgicos delicados que incluem, entre outros, microcirurgias de laringe convencional ou com laser, tireoplastias e injeções de botox para disfonia espasmódica.

No Dia dos Professores, especialista do Hospital Paulista faz alerta para cuidados com a saúde da voz

A voz é uma característica única de cada pessoa e um meio essencial de se comunicar com o próximo. No Dia do Professor, celebrado em 15 de outubro, o Hospital Paulista de Otorrinolaringologia faz uma alerta para os cuidados com a saúde vocal nesta profissão.

De acordo com o otorrinolaringologista Dr. Alexandre Enoki, é comum que professores e demais profissionais que fazem uso intenso da voz desenvolvam rouquid​​ões frequentes, atreladas a diversas alterações da laringe.

Dentre os principais problemas estão as lesões fonotraumáticas que podem surgir após uso intenso da voz. Os mais comuns são os pólipos e os nódulos vocais (conhecidos popularmente como calos nas cordas vocais).

O médico destaca que alterações como rouquidão, dores de garganta ao falar e fadigas vocais persistentes por mais de duas semanas necessitam de uma visita ao otorrinolaringologista, para um diagnóstico e tratamento corretos.

“Estar atento a possíveis casos de alergia e refluxo gastroesofágico também são cuidados que contribuem para a saúde da voz, independentemente do tipo de atividade que a pessoa exerça”, ressalta.

Conforme o otorrinolaringologista, as pessoas devem evitar o ar-condicionado, o consumo excessivo de álcool e o tabagismo, além de gritar durante o dia a dia. O médico também sugere cautela para falar em ambientes ruidosos que possam causar uma “competição sonora”. “Nesses casos, sempre que possível, o uso de um microfone pode ajudar.”

“O uso da máscara também pode contribuir para que os professores forcem um pouco mais para falar e lecionar em um volume que a voz seja melhor compreendida”, explica. No entanto, Dr. Enoki ressalta que a peça é indispensável para evitar o contágio da Covid-19 e não deve ser deixada de lado de jeito nenhum.

“Opte também por uma boa hidratação constante, com água”, reitera o especialista.

 

Tratamentos

Dr. Enoki destaca que, para todas as pessoas, os distúrbios vocais não devem ser menosprezados, pois podem piorar com o passar do tempo.

“Conforme um sintoma se torna frequente, é necessário buscar um otorrinolaringologista.”

 

O tratamento dos problemas vocais pode envolver uso de medicações, fonoterapias ou até mesmo cirurgia das cordas vocais, em alguns casos.

Hospital Paulista amplia serviço especializado em diagnóstico e tratamento de distúrbios da voz

Considerado há 27 anos um centro de excelência em Endoscopia Otorrinolaringológica, o Voice Center do Hospital Paulista, que já realizava exames para diagnósticos de distúrbios da voz, deglutição e refluxo faringo-laríngeo, foi ampliado para oferecer também tratamentos específicos de laringe, com uma abordagem completa do início ao fim e uma equipe altamente especializada.

Com a expansão dos serviços, conforme o otorrinolaringologista Dr. Domingos Hiroshi Tsuji, responsável pelo “Centro Especializado em Laringe e Voz”, o novo Voice Center passa a realizar procedimentos cirúrgicos delicados que incluem, entre outros, microcirurgias de laringe convencional ou com laser, tireoplastias e injeções para disfonia espasmódica.

O especialista destaca que os cuidados altamente especializados estão associados a duas grandes dificuldades: estabelecer o diagnóstico correto da doença, pois, apesar do progresso dos equipamentos endoscópicos atuais, a conclusão ainda depende exclusivamente da interpretação do médico que analisa as imagens vídeo-endoscópicas; e às cirurgias, que, na grande maioria das vezes, são realizadas através do laringoscópio de suspensão e microscópio cirúrgico, por meio de uma técnica conhecida como microcirurgia de laringe, que chega a lesões entre 1 e 2 mm.

“Essenciais para o diagnóstico e tratamento adequados, as dificuldades apontadas requerem um grande treinamento que, muitas vezes, apenas o médico especialista em voz e laringe detém. A falha na definição inicial do diagnóstico correto pode levar a meses ou anos de tratamentos desnecessários, custosos e sem quaisquer resultados efetivos”, explica.

Além disso, segundo ele, ainda existe o fato de o cirurgião ser obrigado a utilizar instrumentos com 20 cm de comprimento e ficar com os braços praticamente estendidos durante todo o procedimento.

“Esse tipo de cirurgia é extremamente delicado e, às vezes, muito complexo, exigindo grandes habilidades que só um especialista completo costuma ter.”

 

A importância do diagnóstico prévio

O Brasil é um dos principais países em casos de câncer de laringe. De acordo com o Dr. Domingos, apenas em 2021, estima-se mais de 7.500 novos pacientes com a doença.

Ele destaca ainda que existe uma grande quantidade de pacientes com quadros em estágios avançados, que levam a tratamentos mutilantes e custosos, resultando em um prejuízo muito grande para a voz e até na necessidade de uma traqueostomia permanente.
“O tratamento precoce sempre traz benefícios para o paciente e sua voz. Por isso, caso apresente sintomas por mais de 15 dias, procure um especialista para estabelecer um diagnóstico correto e rápido, com grandes chances de recuperação plena da voz”, reitera.

Equipe altamente especializada

O Voice Center do Hospital Paulista dispõe de um corpo de médicos altamente especializados na saúde da voz e laringe, liderado pelo Dr. Domingos e que compartilha a mesma visão de seriedade, dedicação, respeito e ética na instituição.

A equipe, inclusive, acaba de receber o reforço do otorrinolaringologista Dr. Rui Imamura, presidente da Academia Brasileira de Laringologia e Voz, que chega para ampliar ainda mais o padrão de excelência do centro.

“Eu já frequentava o centro cirúrgico do hospital há muitos anos e pude acompanhar a sua impressionante evolução com o passar do tempo. Sem dúvidas, é um dos grandes hospitais especializados em Otorrinolaringologia do país, com destaque à oferta de atendimento superespecializado”, afirma o Dr. Imamura.

O médico ressalta que os problemas vocais, geralmente, não causam dor aguda ou provocam sintomas que despertem a atenção imediatamente. Porém, faz um alerta para alguns sinais (cansaço ao falar, perda da voz no meio de frases, falta de ar enquanto fala, dificuldades ao engolir, pigarros constantes, rouquidões e dores ou ardências na garganta) que podem indicar doenças mais graves, como câncer, papilomatose e paralisias laríngeas.

Estas doenças podem atingir praticamente todas as faixas etárias e são difíceis de distinguir de outras menos graves, só pela qualidade vocal. “Se você sofre de rouquidão, não menospreze o sintoma e procure um especialista o mais breve possível. O diagnóstico precoce permite um tratamento eficaz na grande maioria dos casos”, finaliza.

Guia da Voz

Semana da Voz – Rouquidão pode indicar um alerta

O Dia Mundial da Voz, celebrado em 16 de abril, tem o compromisso de chamar a atenção para a saúde da voz, um dos principais instrumentos de interação entre as pessoas. A data é importante para salientar a relevância da fala no nosso dia a dia, pois sabemos que a grande maioria das profissões depende da voz para ser exercida. Com isso, qualquer alteração, como a rouquidão, por exemplo, deve ser investigada, já que pode ser indício de que algo não está bem. Especialista do Hospital Paulista explica ainda como a maçã pode ser uma aliada para a voz.

“São vários os fatores que afetam a voz. Entre eles, estão os processos inflamatórios decorrentes de infecções das vias aéreas superiores, lesões fonotraumáticas (como nódulos e pólipos), alterações estruturais mínimas, que podem estar presentes desde o nascimento, alterações de origem neurológica, autoimune, ou mesmo sem causas aparentes”, destaca o Dr. Alexandre Enoki, otorrinolaringologista do Hospital Paulista.

Entretanto, o principal sintoma que sugere um problema nas cordas vocais é a rouquidão, que pode se manifestar desde uma alteração leve e intermitente, após um uso intenso da voz, até alterações importantes e contínuas.

O especialista alerta ainda que a rouquidão não seja vista, simplesmente, como algo normal ou mesmo charmoso.  “A rouquidão é um sinal que precisa ser investigado. Isso se deve ao fato de que, entre os vários diagnósticos a serem identificados, está até mesmo o câncer de laringe. Portanto, quando persistente por mais de duas semanas, é fundamental passar por uma avaliação médica”, alerta o especialista do Hospital Paulista.

Como manter a saúde da voz?

Cuidados gerais, como boa hidratação, alimentação equilibrada e qualidade de sono são importantes não somente para voz, mas para o organismo como um todo. “É importante ressaltar dois grandes vilões – o tabagismo, responsável pela grande maioria dos casos de câncer de laringe, e o uso abusivo da voz”, explica o médico.

Para os profissionais que utilizam a voz como instrumento de trabalho, como jornalistas, cantores, atores e professores, a atenção deve ser ainda maior. Nestes casos, os cuidados para preservar a voz são fundamentais para evitar alterações, que podem ser tratadas com fonoterapia ou até procedimentos cirúrgicos.

Dia Mundial Sem Tabaco: efeitos do tabagismo na voz, na boca e na garganta

O Dia Mundial Sem Tabaco, que acontece em 31 de maio, foi criado em 1987 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para advertir sobre os graves problemas relacionados ao tabagismo. Além do temido câncer, o hábito pode causar diversas alterações na voz, na boca e na garga