Objetos nos ouvidos pedem auxílio médico imediato

Uma das situações que pode levar as pessoas a um Pronto-Socorro de Otorrinolaringologia é a presença de objetos nos ouvidos. De acordo com o otorrinolaringologista Gilberto Ulson Pizarro, do Hospital Paulista, o incômodo pode ser sensivelmente agravado caso os pacientes tentem resolvê-lo sem auxílio médico, a partir dos chamados “remédios caseiros”.

“Verificamos no Hospital alguns casos de pacientes que tentaram extrair o corpo estranho do ouvido com os dedos, com uma haste flexível ou a partir do uso de alguma substância inadequada, como óleos, por exemplo”, explica o médico.

Nesse caso, corpo estranho pode ser definido como qualquer tipo de objeto introduzido no(s) ouvido(s), intencional ou acidentalmente. Dentre os mais extraídos por otorrinolaringologistas estão grãos, feijões, pequenas pedras, partes de brinquedos, papel, algodão e insetos.

“Boa parte desses objetos está relacionada às crianças pequenas, pois há uma curiosidade natural que as leva a inserir pequenos corpos estranhos em orifícios como ouvidos e nariz. Se os pais não percebem – e isso é muito comum –, o objeto pode se aprofundar no ouvido, ampliando o incômodo da criança”, afirma o Dr. Gilberto.

Portanto, os pais devem ficar atentos se os filhos apresentarem sinais como vermelhidão, inchaço ou secreção no ouvido. Já os pacientes adultos devem evitar “cutucar” os objetos com o objetivo de retirá-los. Se o corpo estranho não sair espontaneamente, é necessário recorrer imediatamente a um otorrinolaringologista, que irá avaliar o caso e fará a rápida e correta extração.

“A extração é um processo simples e pode ser feito de algumas formas, dependendo do tipo e do formato do objeto, além da profundidade no ouvido. Podemos utilizar uma lavagem com água esterilizada ou solução salina e, então, retiramos através de sucção ou objetos adequados para esse tipo de cenário”, completa o médico.

 

Insetos

Dentre os itens que costumam ser extraídos dos ouvidos pelos médicos são insetos, que geralmente causam maior incômodo. Isso porque a sensação de um pequeno bicho dentro do ouvido e a impossibilidade de retirá-lo, costuma deixar os pacientes naturalmente impacientes.

Em uma situação de desespero, as pessoas não aguentam esperar o auxílio médico e acabam utilizando objetos que podem causar sérias lesões ao canal auditivo. Além disso, o ato de mexer a cabeça bruscamente, na tentativa de retirar o inseto, também pode gerar lesões.

“A presença do inseto, de imediato, pode gerar dores fortes, ruídos ou zumbidos, e também um sentimento de angústia. Em crianças, que geralmente não sabem explicar ou entender o que está ocorrendo, há também uma sensação de pânico, até que ocorra a extração”, finaliza o Dr. Gilberto.

Apesar do incômodo, a extração de insetos dos ouvidos não difere muito dos procedimentos para os demais objetos. A principal diferença é que o médico poderá matar previamente o inseto com um anestésico, álcool ou óleo mineral, de modo que a retirada ocorra mais facilmente. Em todos os casos, o procedimento deve ser realizado por um médico especialista.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar?
Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *