Gripe, resfriado ou Covid-19? Hospital Paulista explica como distinguir os sintomas

A recente queda na temperatura anuncia a chegada do inverno, com início em 21 de junho e continuidade pelos próximos três meses. Segundo os meteorologistas, em 2022, a estação será marcada por geadas e mudanças bruscas no clima, uma mistura que pode potencializar o surgimento de doenças respiratórias, como gripes, resfriados e alergias.

Além disso, há também a preocupação com o salto nos casos de Covid-19. No último dia 20 de junho, o Brasil registrou 50.272 novas ocorrências da doença.

O otorrinolaringologista Arnaldo Braga Tamiso, do Hospital Paulista, explica como distinguir uma gripe ou resfriado dos sintomas da Covid, incluindo a variante Ômicron, que, segundo ele, tem indicativos ainda mais preocupantes sobre a facilidade para o contágio.

Conforme o especialista, a variante é preocupante pois os seus sintomas podem ser confundidos aos de uma gripe forte.

 

Gripe, resfriado ou Covid-19?

Dr. Tamiso afirma que o resfriado é um tipo de infecção que acomete as vias aéreas superiores, com foco principal no nariz e na garganta. Seu quadro costuma ser mais leve e limitado, variando entre coriza, espirros e mal-estar.

“Na gripe, os sintomas são mais pronunciados, envolvendo febre, dores no corpo, tosses, e, frequentemente, envolvem uso de medicamentos. Ela pode, inclusive, levar crianças, idosos e pacientes com alergias respiratórias e doenças crônicas a internações”, explica.

Informações complementares do Ministério da Saúde indicam que a gripe é causada por um grupo de vírus da família Influenza e seus sintomas geralmente aparecem de forma repentina, com febre, vermelhidão no rosto e cansaço, sinais que tendem a diminuir entre o segundo e o quarto dias, dando lugar a sintomas respiratórios, como a tosse seca.

Com relação à Covid-19, o especialista do Hospital Paulista destaca que a identificação pode ser um pouco mais complexa, tendo em vista que o vírus já sofreu diversas mutações desde o seu surgimento, em decorrência da quantidade de variantes que surgiu nos últimos meses.

Se no início as tosses secas e as perdas de olfato e paladar eram suficientes para ajudar na identificação do Coronavírus, agora é necessário prestar mais atenção, pois os sintomas estão cada vez mais parecidos com os da gripe, sinaliza o médico.

“Com a variante Ômicron, temos um grupo de sintomas diferente da Covid original. Os sinais são muito próximos aos de uma gripe forte e incluem dores de garganta, que pode ser de forte intensidade. Nestes casos, a testagem é a única forma eficaz de diferenciar o quadro viral”, ressalta.

 

Tratamentos e vacinas

Dr. Tamiso afirma que os resfriados leves podem ser tratados em casa, com a ajuda de analgésicos e antitérmicos, mas alerta para a importância de manter o isolamento social. Caso os sintomas se estendam ou piorem, é necessário procurar um especialista para a realização do teste de Covid. Em caso positivo, o paciente deve permanecer em isolamento.

“É importante que o paciente esteja bastante atento à duração e à severidade dos sintomas. O quadro precisa ser observado e, se eles persistirem ou piorarem em média após dois dias, buscar ajuda médica é imprescindível.”

O médico reitera ainda a importância das imunizações contra a Covid-19 e a gripe. Neste último caso, segundo o especialista, a dose funciona entre 3 e 4 tipos específicos de gripe que pertencem ao grupo do vírus H1N1.

“Nos outros diversos tipos de vírus causadores de gripes ou resfriados, como o Adenovírus, por exemplo, a vacina possui pouca ou nenhuma ação. Mas, ainda assim, por mais que o indivíduo vacinado, eventualmente, fique gripado ou tenha sintomas da doença, os riscos de internação por H1N1 são muito baixos”, detalha.

Sobre a eficácia das vacinas disponíveis contra a Covid, incluindo a variante Ômicron, Dr. Tamiso ressalta que todos os imunizantes são capazes de abrandar a força do vírus.

“Todas as doses que temos disponíveis no Brasil são capazes de diminuir o aumento do número de casos graves. Por isso, é importante que toda a população seja imunizada o quanto antes”, salienta o otorrinolaringologista.

Para que haja eficácia é importante manter o calendário de vacinação em dia, para que o intervalo entre elas não diminua a proteção. “Verifique a disponibilidade da vacina da gripe na sua região e imunize-se, pois ela é importante. E se a vacinação contra a Covid já tiver chegado à sua faixa etária, não deixe de se imunizar”, finaliza o médico.
É essencial destacar também a extrema importância de todas as doses da vacina contra a Covid-19, incluindo as de reforço, para uma completa imunização.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar?
Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *