Apneia Obstrutiva do Sono em crianças pode ter várias causas; entenda!

No Dia das Crianças, lembrado em 12 de outubro, o Hospital Paulista chama a atenção para a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS), um problema que pode afetar pequenos de todas as idades, sendo mais prevalente entre 3 e 5 anos. As crianças que apresentam essa condição têm paradas respiratórias durante o sono, prejudicando a ventilação pulmonar e a oxigenação.

De acordo com Renata Christofe Garrafa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, é muito importante que os pais fiquem atentos aos principais sinais emitidos pelas crianças durante o sono, para que possam consultar um médico e indicar os problemas manifestados.

“O principal sintoma que pode ser observado pelos pais é a ocorrência de pausas na respiração à noite. A criança com esta síndrome costuma apresentar roncos altos interrompidos por paradas respiratórias (muitas vezes relatadas como ‘engasgos’ pelos pais)”, avalia a otorrinolaringologista.

Alguns sintomas da SAOS, no entanto, podem ser observados durante o dia, de modo que a observação noturna não é a única opção aos pais que avaliam primariamente se devem ou não recorrer a um médico.

Dados da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia indicam que cerca de 10% das crianças roncam, mas somente entre 1% e 3% delas têm apneia do sono.

“O sono da criança com SAOS é frequentemente agitado e com despertares. Consequentemente, por ser um sono não reparador, os pequenos podem apresentar déficit de crescimento, além de prejuízo no rendimento escolar pela dificuldade de concentração e aprendizado. Diferentemente dos adultos, em que a sonolência diurna é um sintoma frequente, crianças podem apresentar hiperatividade e irritabilidade durante o dia”, complementa a médica.

Durante a infância, justamente em um momento no qual as crianças estão aprendendo e desenvolvendo habilidades de compreensão e comunicação, estes sintomas podem ser muito prejudiciais.

Causas e tratamentos

Ainda que também ocorra em adultos, a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono em crianças tem causas específicas e isso irá influenciar justamente na escolha do médico pelo tratamento que será ministrado.

“Em crianças, as hipertrofias das amígdalas e/ou da adenoide encontram-se entre as principais causas da SAOS. Porém, alterações craniofaciais como retrognatismo (quando a mandíbula se localiza mais para trás), macroglossia (língua grande – comum em Síndrome de Down) e até mesmo obesidade são fatores que também podem causar pausas respiratórias durante o sono”, afirma Renata.

Portanto, ao observar alguns dos sintomas, principalmente durante o sono, os pais devem encaminhar a criança a um otorrinolaringologista para que o diagnóstico sobre as causas da síndrome seja feito.

“É possível tratar a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, mas a criança deve ser avaliada inicialmente para que o fator causal seja determinado. Cada causa tem um tratamento”, explica a médica.

Uma vez que a principal causa de SAOS em criança é o aumento das amígdalas e/ou da adenoide, a intervenção cirúrgica é o tratamento mais prevalente. “No caso da hipertrofia das amígdalas e da adenoide, o tratamento é cirúrgico por meio de adenoamigdalectomia, cirurgia realizada pelo otorrinolaringologista”, completa.

Em algumas situações, entretanto, o tratamento pode requerer complementação multiprofissional, aliando o acompanhamento ortodôntico e nutricional, além de avaliação por médico crânio-maxilo-facial.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar?
Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *