Posts

Hospital Paulista alerta para cuidados que músicos devem ter com saúde do ouvido e da voz

Na semana em que é celebrado o Dia Internacional do Músico, o Hospital Paulista chama a atenção para os principais desgastes e problemas que podem acometer os profissionais que dependem da voz e do ouvido para exercerem seu trabalho.

De acordo com o Dr. Alexandre Enoki, otorrinolaringologista que atende no Voice Center – Centro Especializado em Laringe e Voz do Hospital Paulista, é recomendado que músicos e cantores visitem o otorrinolaringologista com uma frequência maior que outros profissionais.

“As avaliações com o otorrino em pacientes que trabalham com uso intenso da voz e/ou ficam expostos a ambientes com som alto são muito importantes, tanto para prevenir alterações como para tratá-las. Não há uma frequência exata, pode variar conforme cada caso”, explica o especialista.

Entre os problemas que as consultas podem ajudar a identificar e até prevenir estão a perda auditiva induzida por ruídos (PAIR) e as alterações fonotraumáticas nas cordas vocais, que se referem a alterações não cancerígenas, ou seja, benignas.

“Estas alterações podem variar de pessoa para pessoa, sendo desde uma simples inflamação temporária até o surgimento de lesões como nódulos, pólipos, granulomas e alguns tipos de cistos”, ressalta o médico.

Conforme o Dr. Enoki, a literatura médica é carente de estudos que constatam a ligação dos instrumentos de sopro com alterações nas cordas vocais, mas acredita-se que, de fato, ela possa existir. Ele cita a laringocele e a faringocele, que são dilatações na região do pescoço, como possíveis ocorrências em instrumentistas com predisposição aos problemas.

“Podem ocorrer, principalmente, em casos de instrumentos que exercem uma pressão mais elevada na laringe e na faringe para a sua execução, como os trompetes, por exemplo”, explica.

 

Prevenção

Além das visitas regulares ao otorrinolaringologista, o médico destaca alguns cuidados básicos para manter a saúde vocal e auditiva dos músicos e cantores, como uma

boa hidratação e evitar o tabagismo e o consumo excessivo de álcool. “Como, em muitos casos, os cantores precisam trabalhar com uma alta demanda do uso vocal, os períodos de repouso da voz e exercícios vocais também ajudam a diminuir o risco das complicações na laringe.”

Além disso, o retorno sonoro de palco deve ser adequado para que o profissional não faça um esforço além do necessário. Dr. Enoki finaliza explicando que a principal medida de prevenção aos problemas de audição é o uso de protetores auriculares em locais com alta exposição sonora.

Especialista alerta para cuidados específicos a profissionais da voz

No Dia Mundial da Voz, lembrado em 16 de abril, o Hospital Paulista chama a atenção para os principais desgastes e problemas que acometem profissionais que dependem da voz para exercerem suas atividades diariamente, como professores, cantores e atendentes de telemarketing.

De acordo com Domingos Hiroshi Tsuji, otorrinolaringologista e responsável pelo Voice Center do Hospital Paulista, determinadas profissões exigem naturalmente maior atenção e acompanhamento no que diz respeito ao uso da voz.

“Estes profissionais devem se atentar a cuidados específicos que devem ser feitos antes, depois e nos intervalos de suas atividades profissionais. Além disso, é essencial o acompanhamento com médico especializado para que seja possível identificar sinais de desgaste ou de uso desregrado e incorreto da voz”, explica o médico.

Veja a seguir categorias profissionais que requerem maior atenção quando o assunto é o uso da voz:

 

Cantores

A pandemia de Covid-19 e o isolamento social limitaram bastante as atividades de cantores em todo o país. Muitos conseguiram se adaptar e passaram a realizar eventos online, em um ambiente que exige menos da voz, já que não há a presença de um público expressivo. Ainda assim, o canto sem orientação ou acompanhamento adequado pode levar ao desgaste vocal ao longo dos anos de atuação dos cantores.

O acompanhamento aos cantores inclui uma avaliação endoscópica, muito diferente em relação a outros pacientes. “Com o cantor, além de verificarmos a presença de eventuais doenças e lesões, analisamos também como as estruturas anatômicas funcionam e se comportam durante a fala e o canto”, destaca o Dr. Domingos.

Essa avaliação para cantores inclui exames como videonasofibroscopia endonasal, videonasofibroscopia para avaliação da função velofaríngea, videonasofibroscopia faringolaríngea, videonasofibroscopia para avaliação dinâmica da fala e canto e videoestroboscopia da laringe.

“Os exames são realizados de forma rápida e a maioria dos pacientes não sente desconforto intenso ou outras sensações desagradáveis. Não há necessidade de ficar com medo de realizar o exame.

 

Professores

A sala de aula traz uma série de desafios aos professores no dia a dia, mas o uso da voz de forma prolongada na jornada de trabalho faz com que muitos profissionais relatem desconforto ao final do dia. A variação frequente no volume da voz, em razão de barulhos dentro e fora da sala de aula, também provoca um incômodo que, ao longo da carreira, pode comprometer a voz dos professores.

“Nestes cenários, o professor deve beber água com frequência, principalmente durante as aulas, para evitar que a garganta fique seca. Recomendamos o uso moderado do volume de voz, mas sabemos que isso é quase impossível em meio aos desafios impostos a professores que precisam cuidar de 30 a 40 alunos por sala. Assim, aos primeiros sintomas, recomendamos um acompanhamento médico adequado para que seja possível identificar e tratar possíveis lesões”, afirma o Dr. Domingos.

 

Atendentes de telemarketing

Os atendentes que trabalham essencialmente com telefone devem se habituar também ao consumo frequente de água durante o trabalho. No caso deste profissional, o uso quase ininterrupto da voz pode provocar rouquidão, incômodo e dor na região da garganta.

“O ideal seria promover pequenos intervalos durante a jornada de trabalho para que o profissional possa ‘descansar’ o sistema vocal”, completa o médico, ressaltando que o hábito de fumar também pode agravar a situação.

 

Campanha

Na semana do Dia Mundial da Voz, o Hospital Paulista promove uma campanha para conscientizar a população sobre a importância do tema. A iniciativa, que contempla adesivação de fachada e ações nas mídias sociais, busca alertar a todos sobre os sinais e sintomas que requerem o diagnóstico precoce de doenças ligadas às cordas vocais.

Durante a campanha, o Hospital Paulista promoverá uma ação em mídias sociais com as #diamundialdavoz e #voicecenterHP. O mega painel na fachada do Hospital será usado como cenário para realização de selfies dos diferentes públicos, sempre orientados sobre a necessidade de uso de máscaras para participação desta ação.

Além disso, neste mês, o Hospital Paulista estreia seu projeto OtorrinoTalk por meio de podcasts mais vídeos nas diversas plataformas digitais, além de nova campanha em rádio com boletins diários sobre dicas de saúde em Otorrino.

Guia da Voz

Semana da Voz – Rouquidão pode indicar um alerta

O Dia Mundial da Voz, celebrado em 16 de abril, tem o compromisso de chamar a atenção para a saúde da voz, um dos principais instrumentos de interação entre as pessoas. A data é importante para salientar a relevância da fala no nosso dia a dia, pois sabemos que a grande maioria das profissões depende da voz para ser exercida. Com isso, qualquer alteração, como a rouquidão, por exemplo, deve ser investigada, já que pode ser indício de que algo não está bem. Especialista do Hospital Paulista explica ainda como a maçã pode ser uma aliada para a voz.

“São vários os fatores que afetam a voz. Entre eles, estão os processos inflamatórios decorrentes de infecções das vias aéreas superiores, lesões fonotraumáticas (como nódulos e pólipos), alterações estruturais mínimas, que podem estar presentes desde o nascimento, alterações de origem neurológica, autoimune, ou mesmo sem causas aparentes”, destaca o Dr. Alexandre Enoki, otorrinolaringologista do Hospital Paulista.

Entretanto, o principal sintoma que sugere um problema nas cordas vocais é a rouquidão, que pode se manifestar desde uma alteração leve e intermitente, após um uso intenso da voz, até alterações importantes e contínuas.

O especialista alerta ainda que a rouquidão não seja vista, simplesmente, como algo normal ou mesmo charmoso.  “A rouquidão é um sinal que precisa ser investigado. Isso se deve ao fato de que, entre os vários diagnósticos a serem identificados, está até mesmo o câncer de laringe. Portanto, quando persistente por mais de duas semanas, é fundamental passar por uma avaliação médica”, alerta o especialista do Hospital Paulista.

Como manter a saúde da voz?

Cuidados gerais, como boa hidratação, alimentação equilibrada e qualidade de sono são importantes não somente para voz, mas para o organismo como um todo. “É importante ressaltar dois grandes vilões – o tabagismo, responsável pela grande maioria dos casos de câncer de laringe, e o uso abusivo da voz”, explica o médico.

Para os profissionais que utilizam a voz como instrumento de trabalho, como jornalistas, cantores, atores e professores, a atenção deve ser ainda maior. Nestes casos, os cuidados para preservar a voz são fundamentais para evitar alterações, que podem ser tratadas com fonoterapia ou até procedimentos cirúrgicos.