Posts

Doença de Ménière: O que é e como preveni-la?

 

Sensação de pressão ou ouvido tampado, zumbido, vertigem e surdez flutuante. Estes são os principais sintomas da doença de Ménière, chamada também de hidropsia endolinfática.

Segundo o otorrinolaringologista do Hospital Paulista Dr. José Ricardo Testa, o problema ocorre quando há uma distensão do compartimento onde fica armazenada a endolinfa, ou seja, um dos líquidos do labirinto. “Essa distensão provoca um aumento da pressão do líquido dentro do ouvido”, explica o especialista.

Infecções, estresse, tabagismo, enxaqueca, alterações do sistema imunológico, variações anatômicas do ouvido interno ou predisposição genética são algumas das alterações que podem levar ao aumento desta pressão.

“Por ser aparentemente flutuante, a doença pode ser confundida com um mal estar temporário ou com uma labirintite em seu estágio inicial”, afirma Testa.

O médico destaca que, embora a doença de Ménière seja considerada crônica, existem formas de tratamento que podem ajudar a aliviar os sintomas e minimizar o impacto da síndrome a longo prazo.

“Nos casos mais simples da doença, mudanças no estilo de vida podem ajudar a controlar a Ménière, como uma alimentação balanceada, reduzindo o consumo de sal, açúcar e cafeína, e a prática de exercícios, por exemplo”, detalha o especialista.

Testa ressalta, no entanto, que, nos casos mais graves, o tratamento é medicamentoso, podendo até ser indicada uma cirurgia para seccionar o nervo vestibular.

“Remédios para tratar náuseas e vertigens, diuréticos e terapia de reabilitação vestibular, que são exercícios específicos para devolver o equilíbrio ao labirinto, podem ser utilizados”, finaliza o médico.

A doença de Ménière atinge, principalmente, adultos entre 40 e 60 anos. Na maioria dos casos, afeta apenas um ouvido.

Labirintite e sintomas labirínticos: entenda a diferença

Em nossa cultura, tornou-se comum associar tonturas à labirintite. Por isso, muitas pessoas acreditam que tem a doença ao desenvolverem este sintoma,  mas essa percepção pode ser um grande engano.  Segundo o Dr. Ricardo Schaffeln Dorigueto, especialista em Otoneurologia,   para o diagnóstico de labirintite é necessário ter uma alteração no labirinto – uma estrutura do ouvido interno – causada por infecções, inflamações e compressões mecânicas.  “A cirucunstância mais comum é vertigem posicional paroxística benigna (VPPB), que são cristais de cálcio que se deslocam dentro do ouvido, ocasionadas por pancadas ou a uma degeneração natural do labirinto.”, complementa ele.

Outras doenças relacionadas à tontura

Ainda segundo o especialista, é importante fazer acompanhamento médico assim que os problemas relacionados ao equilíbrio aparecerem. “Tonturas podem indicar problemas como diabetes, hipertensão ou do Sistema Nervoso Central, como um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Por isso, é importante procurar um profissional qualificado para o correto diagnóstico”, indica ele.

E por que essa associação se tornou tão forte em nossa cultura? O médico explica: “antigamente, os exames não davam tanto suporte quanto atualmente, por isso, era comum o diagnóstico de labirintite.”

Labirintite e tontura em fatos

Menos de 1% dos casos de tontura são relacionados à labirintite.

Tontura é mais comum após os 65 anos, e em 85% dos casos, refere-se a problemas no sistema vestibular.

O Hospital Paulista foi pioneiro na realização de exames de eletrofisiologia no Brasil. O Dr. Spinola foi o primeiro a realizar o exame de  Bera, tornando-se tradição e referência.

Glossário

Ouvido Interno é aparte mais profunda do ouvido, composta pela cóclea e pelo sistema vestibular.

Sistema vestibular é composto por estruturas que tem como função registrar o movimento do corpo e assegurar o equílibrio.

Labirinto é uma estrutura do sistema vestibular ligada à audição, noção de equilíbrio e percepção de posição do corpo.