Posts

Apneia Obstrutiva do Sono em crianças pode ter várias causas; entenda!

No Dia das Crianças, lembrado em 12 de outubro, o Hospital Paulista chama a atenção para a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS), um problema que pode afetar pequenos de todas as idades, sendo mais prevalente entre 3 e 5 anos. As crianças que apresentam essa condição têm paradas respiratórias durante o sono, prejudicando a ventilação pulmonar e a oxigenação.

De acordo com Renata Christofe Garrafa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, é muito importante que os pais fiquem atentos aos principais sinais emitidos pelas crianças durante o sono, para que possam consultar um médico e indicar os problemas manifestados.

“O principal sintoma que pode ser observado pelos pais é a ocorrência de pausas na respiração à noite. A criança com esta síndrome costuma apresentar roncos altos interrompidos por paradas respiratórias (muitas vezes relatadas como ‘engasgos’ pelos pais)”, avalia a otorrinolaringologista.

Alguns sintomas da SAOS, no entanto, podem ser observados durante o dia, de modo que a observação noturna não é a única opção aos pais que avaliam primariamente se devem ou não recorrer a um médico.

Dados da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia indicam que cerca de 10% das crianças roncam, mas somente entre 1% e 3% delas têm apneia do sono.

“O sono da criança com SAOS é frequentemente agitado e com despertares. Consequentemente, por ser um sono não reparador, os pequenos podem apresentar déficit de crescimento, além de prejuízo no rendimento escolar pela dificuldade de concentração e aprendizado. Diferentemente dos adultos, em que a sonolência diurna é um sintoma frequente, crianças podem apresentar hiperatividade e irritabilidade durante o dia”, complementa a médica.

Durante a infância, justamente em um momento no qual as crianças estão aprendendo e desenvolvendo habilidades de compreensão e comunicação, estes sintomas podem ser muito prejudiciais.

Causas e tratamentos

Ainda que também ocorra em adultos, a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono em crianças tem causas específicas e isso irá influenciar justamente na escolha do médico pelo tratamento que será ministrado.

“Em crianças, as hipertrofias das amígdalas e/ou da adenoide encontram-se entre as principais causas da SAOS. Porém, alterações craniofaciais como retrognatismo (quando a mandíbula se localiza mais para trás), macroglossia (língua grande – comum em Síndrome de Down) e até mesmo obesidade são fatores que também podem causar pausas respiratórias durante o sono”, afirma Renata.

Portanto, ao observar alguns dos sintomas, principalmente durante o sono, os pais devem encaminhar a criança a um otorrinolaringologista para que o diagnóstico sobre as causas da síndrome seja feito.

“É possível tratar a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, mas a criança deve ser avaliada inicialmente para que o fator causal seja determinado. Cada causa tem um tratamento”, explica a médica.

Uma vez que a principal causa de SAOS em criança é o aumento das amígdalas e/ou da adenoide, a intervenção cirúrgica é o tratamento mais prevalente. “No caso da hipertrofia das amígdalas e da adenoide, o tratamento é cirúrgico por meio de adenoamigdalectomia, cirurgia realizada pelo otorrinolaringologista”, completa.

Em algumas situações, entretanto, o tratamento pode requerer complementação multiprofissional, aliando o acompanhamento ortodôntico e nutricional, além de avaliação por médico crânio-maxilo-facial.

Por que as crianças sofrem mais com infecções no nariz, ouvidos e garganta?

Se tem algo que causa temor e angústia nos pais é ver o filho doente. Independente da gravidade do caso, o sofrimento dos pequenos costuma gerar uma sensação de impotência. Nesse sentido, infecções recorrentes no nariz, nos ouvidos e na garganta são uma das principais causas a tirar o sono dos pais, principalmente nos primeiros anos das crianças.

Afinal, por que o processo infeccioso nessas regiões do corpo é mais comum em crianças do que em adultos? De acordo com as otorrinolaringologistas Cristiane Mayra Adami e Leila dos Reis Ortiz Tamiso, do Hospital Paulista, parte da explicação está na imunidade mais baixa dos pequenos, que só será formada definitivamente na pré-adolescência.

“Os tecidos de proteção local da criança na garganta e no nariz são as amígdalas e a adenoide. De forma natural, a criança tem a higiene um pouco mais defasada do que a do adulto, pois leva tudo à boca, inclusive as mãos. Dessa forma, sua imunidade tem que trabalhar muito mais. E onde produz essa imunidade local? Nas amígdalas e na adenoide, que aumentam de tamanho para produzirem mais células de defesa. É aí que ocorre a hipertrofia da adenoide e da amígdala, que tem como consequências as infecções de garganta, nariz e ouvido”, explica Leila.

Cristiane ressalta outros dois fatores que contribuem para uma maior incidência destas infecções nos pequenos. “A criança que está escola tem contato com todo mundo. Assim, a escola é o principal fator de disseminação das infecções nas crianças”, explica a otorrinolaringologista. De acordo com ela, entretanto, os pais não devem esperar o passar dos anos para buscar tratamento médico.

“Essas infecções de repetição podem prejudicar a criança. Vamos deixar essa criança sofrendo e tomando antibióticos uma vez por mês, destruindo, portanto, a imunidade do seu intestino? Temos exemplos de crianças que tomam antibiótico todos os meses. Terminam um, passam alguns dias bem e ficam doentes de novo. Para caracterizar essa repetição, falamos no mínimo de 3 a 4 vezes com infecções em um ano. No entanto, tudo depende da intensidade da doença. Se a criança sente muito os efeitos das infecções, não consegue fazer nada, não consegue ir à escola, já é indicação de tratamento cirúrgico. O melhor é prevenir”, complementa Cristiane.

Alguns outros sintomas ajudam os pais a identificarem se a criança está sofrendo com as infecções recorrentes. Dificuldades auditivas, ronco, sono muito agitado e dificuldade de alimentação são alguns deles.

“Às vezes, os pais entendem que as infecções são normais, pois eles também tiveram durante suas infâncias. O tempo vai passando, eles deixam de tratar e perdemos o momento correto para realizar o diagnóstico e o tratamento. Isso tem extrema importância. Para que a criança tenha um bom desenvolvimento físico e psicológico, é preciso que todos os seus sistemas – de imunidade e de crescimento, por exemplo – estejam em evolução. O hormônio de crescimento é produzido durante a madrugada. Se a criança não dorme direito, provavelmente não terá um desenvolvimento adequado. A recomendação, portanto, é sempre procurar um otorrino para verificar essas questões”, complementa Leila.

Ao diagnosticar problemas na adenoide ou nas amígdalas, frutos de infecções recorrentes, Cristiane explica que o tratamento inicial irá priorizar soluções clínicas, com o uso de medicamentos e vacinas.

“Se o tratamento clínico não é suficiente ou eficaz, indicamos tratamento cirúrgico. Alguns casos, no entanto, requerem cirurgia de imediato. Na apneia do sono, por exemplo, a indicação primordial é cirúrgica, pois a criança pode sofrer paradas respiratórias enquanto dorme. Sempre buscamos o tratamento clínico, mas a cirurgia pode ser necessária em alguns cenários”, avalia.

Na maioria dos casos, as cirurgias de amígdalas e adenoide são feitas em conjunto. Os pais, no entanto, devem se preparar para o pós-operatório do procedimento, já que a criança precisa permanecer em repouso e pode reclamar de algumas dores. O ideal é que essas cirurgias sejam realizadas ainda na infância, desde que haja indicação médica.

“O adulto passou mais tempo com esse problema e naturalmente sentirá muito mais dor após o procedimento cirúrgico”, conclui Cristiane.

Hospital Paulista esclarece principais dúvidas sobre o Teste da Orelhinha

A audição, um dos sentidos mais importantes para o desenvolvimento da criança, já mostra a sua relevância desde muito cedo, ainda durante a gestação.

Segundo a otorrinolaringologista do Hospital Paulista Renata Garrafa, um mínimo grau de perda da capacidade auditiva pode interferir no desenvolvimento da linguagem e compreensão das informações sonoras que a criança recebe. “É a partir dos sons do corpo da mãe, seus batimentos cardíacos e, também, da sua voz que o bebê começa a trilhar seu longo caminho de aprendizados”, destaca.

Por isso, explica a médica, é fundamental a detecção precoce de qualquer problema auditivo, permitindo que a criança seja tratada o quanto antes, minimizando seus efeitos.

Esse diagnóstico é possível através do exame de Emissões Otoacústicas Evocadas (EOA), conhecido como Teste da Orelhinha. Gratuito e obrigatório em todas as maternidades, o teste deve ser realizado durante os primeiros 30 dias de vida do bebê.

Como funciona o Teste da Orelhinha?

A especialista afirma que o exame é muito rápido e totalmente indolor. “Uma sonda colocada na orelha do bebê, junto de um alto falante e um pequeno microfone, emite determinados sons, enquanto um computador captura e analisa o eco produzido sem que a criança sinta qualquer tipo de incômodo.”

Segundo Renata, cerca de 50% das crianças sem risco conhecido para perda auditiva podem, mesmo assim, apresentar algum grau de perda de audição.

Devido a esse número elevado, torna-se crucial realizar a triagem auditiva em todos os bebês. “Caso exista alguma deficiência de audição, ela poderá ser tratada o mais precocemente possível, evitando prejuízos no seu desenvolvimento”, reforça.

Por que esse exame é tão importante?

A especialista conta que, quando a criança apresenta qualquer perda auditiva, esse fator impacta na interação social e na sua aprendizagem global, além da construção da fala. Tais fatores podem ser minimizados com o tratamento adequado, possibilitando mais qualidade de vida.

Ela ainda faz um alerta. “Todos os sons que ouvimos ajudam na formação de um sistema sensorial auditivo, que atua no nosso sistema nervoso central. Quando a privação auditiva não é tratada logo nos primeiros anos de vida, esse sistema fica impedido de se formar, um efeito colateral que pode ser irrecuperável na vida adulta.”

Vale lembrar que existem alguns fatores de risco conhecidos para perda auditiva, como infecções congênitas (rubéola e citomegalovírus, por exemplo), necessidade de UTI por mais de 5 dias, uso de medicações ototóxicas, ou seja, tóxicas para o órgão auditivo, entre outras.

Nesses casos, é recomendado também realizar a triagem auditiva com o Exame de Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefálico (conhecido como PEATE/ BERA). Esse teste pode detectar a menor intensidade de som percebida pela orelha.

“Em todos os casos, a mensagem mais importante para os pais é que atentem para a realização do teste logo no primeiro mês de vida do bebê, preferencialmente antes mesmo da alta da maternidade. O procedimento é extremamente simples e fará toda a diferença no desenvolvimento físico e emocional da criança”, recomenda.

Ela ainda ressalta que, caso o resultado do Teste da Orelhinha feito na maternidade seja inconsistente, apresente dúvidas ou alguma anormalidade, é importante buscar a ajuda de um especialista, que poderá realizar um exame mais completo em clínicas especializadas. “O Hospital Paulista conta com recursos avançados para detectar problemas auditivos até mesmo em graus mais leves”, destaca.

Crianças em casa: engasgo e introdução de objetos no nariz ou ouvido pode ser perigoso

Durante a quarentena, todo cuidado é necessário para evitar acidentes com pequenos objetos e se atentar a engasgos

Botões, pedrinhas, miçangas, feijão e massinha fazem parte de uma grande lista de coisas que as crianças costumam engasgar ou até mesmo introduzir no ouvido ou no nariz. Em um período em que as aulas presenciais foram interrompidas e os mais novos passam o dia em casa, vale ficar atento. Se há irmãos maiores, redobre a atenção, pois é comum que, em um ato inocente de brincadeira, os bebês sejam “alimentados” por eles com objetos pequenos que podem causar danos à saúde.

No caso de engasgos, os menores de dois anos são as grandes vítimas, já que estão na fase oral e costumam levar todo o tipo de objeto até a boca. Caso perceba que a criança engoliu um corpo estranho e está com problemas, o primeiro passo é avaliar se tem falta de ar associada. Nessa situação, ela não conseguirá chorar, falar ou respirar e ficará com os lábios roxos.

“Para uma ajuda segura, o ideal é dividir as tarefas: um adulto cuida da criança e o outro chama o serviço de emergência, pois podem ser necessárias manobras como a de Heimlich e de ressuscitação, se a situação estiver grave, sendo que esta última nem todos estão aptos a executá-la com precisão. Caso ela apresente falta de ar, não consiga respirar e esteja ficando azulada, o serviço de emergência deve ser chamado imediatamente”, destaca a Dra. Renata Garrafa, otorrinolaringologista do Hospital Paulista.

Em situações de engasgos, a manobra de Heimlich é uma técnica de primeiros socorros utilizada em casos de emergência por asfixia e que pode ser realizada por qualquer pessoa, bastando que siga corretamente as orientações.

“A manobra de Heimlich acontece de formas diferentes em bebês e em crianças maiores de um ou dois anos. No bebê, devemos colocá-lo de bruços, deitado em cima do nosso antebraço e com a cabeça virada para baixo. Então, com bebê com as costas retas e, segurando com firmeza, devemos dar cinco tapas no meio das costas e entre os ombros, não muito fortes, mas com impacto suficiente para que o objeto saia”, explica a médica.

Se o engasgo persistir, o bebê deve ser virado de barriga para cima, sob o outro antebraço, pressionando cinco vezes com os dois dedos indicadores no meio do peito do bebê, entre os dois mamilos. Caso chore, vomite ou tussa é sinal que conseguiu desengasgar. Se continuar engasgado, repetir desde o início   o procedimento até que o bebê desengasgue.

“Já em uma criança acima de dois anos, devemos nos posicionar atrás dela, sendo que ela fica de pé e nós ajoelhados. Então, com a criança de costas, abraçaremos até que uma de nossas mãos esteja fechada na altura do estômago e a outra mão estará aberta, apoiada sobre essa mão fechada. Então, devemos pressionar com força moderada a barriga da criança para dentro e para cima ao mesmo tempo”, completa a especialista do Hospital Paulista. 

É importante também ficar atento a alguns objetos como pilhas ou baterias, por exemplo, que podem, após algumas horas, liberar substâncias tóxicas. “Mesmo que a criança acabe não engasgando, a presença dessas peças no corpo pode agravar o quadro. Portanto, esses materiais devem ser mantidos longe do alcance dos pequenos”, diz a Dra. Renata.

 

Nariz e ouvido

A presença de um corpo estranho no ouvido pode gerar dificuldade para escutar, sensação de entupimento e até mesmo lesão na membrana do tímpano. A criança pode queixar-se de dor ou de ouvido tampado e, eventualmente, pode ter saída de sangue ou secreção pelo canal externo do ouvido.

Já a introdução de objetos no nariz pode acarretar em obstrução, secreção e sangramento provenientes de apenas um lado do nariz, além de odor fétido nasal. Em ambos os casos, pode gerar infecção se a situação não for contornada a tempo.

Muitas vezes, as crianças podem não admitir que introduziram objetos no ouvido ou no nariz. No caso dos menores, é possível que não consigam comunicar o ocorrido. “A tentativa de remoção destes objetos em casa, seja no ouvido ou no nariz, é perigosa e pode gerar sérias lesões. Assim que o adulto perceber que a criança está com um objeto preso nesses locais, é preciso ir imediatamente ao pronto-socorro”, finaliza a especialista.

Quando os pais devem ficar atentos a um possível problema de audição nas crianças?

O desenvolvimento da fala está diretamente ligado à audição. Nos primeiros meses de vida, o bebê se comunica com o choro. Com o tempo, os pais começam a perceber as diferenças de cada tipo de chorinho do bebê. Nos primeiros meses de vida ele balbucia alguns sons que ainda não são reconhecíveis por adultos.

Com o passar do tempo, aumenta seu repertório de sons e aí é preciso os pais ficarem atentos às seguintes fases!

Os pais devem ficar atentos quando a criança passou de dois anos e ainda não consegue formar frases curtas, pedir o que tem vontade, chamar os pais e responder a estímulos, alerta a médica otorrinolaringologista do Hospital Paulista, Dra. Renata Garrafa. Neste caso é recomendado procurar atendimento médico imediato.

Durante o atendimento especializado, toda a história de vida da criança é importante, desde o pré-natal – enquanto ainda estava na barriga da mãe – até o presente momento. Informações como saúde ao nascimento e doenças desenvolvidas podem ser fatores de risco para surdez.  A criança passará, então, por avaliação médica, exames e testes de audição e, apenas assim, poderá ser diagnosticada com uma possível perda auditiva.

 

ATENÇÃO! A origem do problema de audição pode ser congênita (do nascimento) ou adquirida, como otites ou mesmo sequelas de outras doenças, como a meningite!

 

Quais as causas adquiridas mais comuns?

Entre as causas adquiridas mais comuns está a Otite Secretora, ocasionada por ‘catarro no ouvido’. Por permanecer com a sensação de ouvido entupido, a criança pode perceber sons em volume mais baixo e de forma distorcida, informa a Dra. Renata, que atende cerca de dois pacientes por semana no Hospital Paulista com este diagnóstico. “As cirurgias para estes casos têm bastante sucesso. A criança volta a escutar perfeitamente”, relata.

Após o diagnóstico de perda auditiva, um tratamento individualizado será proposto, podendo ser clínico ou cirúrgico. Algumas causas são reversíveis, outras necessitarão de suporte por toda vida, com uso de aparelho auditivo convencional ou, em casos mais severos, de implante coclear.

IMPORTANTE! Quanto mais cedo a criança que tem algum grau de perda auditiva for diagnosticada menor será o impacto em seu desenvolvimento de linguagem. Os pais devem estar atentos a esta evolução. Qualquer atraso no desenvolvimento da linguagem pode ser sinal de deficiência auditiva e precisa ser investigado para que não haja interferência no aprendizado da criança.

Para as crianças diagnosticadas com surdez profunda, a cirurgia de implante coclear deve ser indicada o mais rapidamente, com limite máximo até os 4 anos de idade. “As crianças aprendem a ouvir, distinguir sons e compreender o que escutam até os quatro anos de idade, por isso o diagnóstico deve ser feito o quanto antes. Após esse período, ainda que a cirurgia de implante coclear seja realizada, o resultado não será o mesmo”, explica.

Quando procurar um otorrinolaringologista?


A Dra. Renata indica que a criança passe por uma consulta com um otorrinolaringologista entre um e dois anos de idade. “Nesta faixa etária, é possível fazer o diagnóstico e tratar com sucesso”.

Fique atento aos sinais!