Próteses Auditivas

Nosso objetivo é a reabilitação auditiva, isto é, o restabelecimento das habilidades comunicativas. Nós, fonoaudiólogos, somos responsáveis pela função social da audição e sua utilidade prática.

Nossa função é a seleção, adaptação, treinamento e orientação do paciente quanto ao uso da prótese; e avaliações periódicas em relação à efetividade do ganho auditivo do aparelho e pela verificação da audição do paciente através da audiometria e de outros exames, quando necessários.

O que é uma prótese auditiva?

É um miniamplificador que tem como função conduzir o som até a orelha do usuário. Seu objetivo é aproveitar a audição residual e não substituir a orelha de antes.

Quem indica?

É sempre indicado pelo médico, geralmente um otorrinolaringologista ou geriatra.

Quem seleciona?

O fonoaudiólogo por meio da prescrição do médico e de exames como a audiometria tonal ou vocal e/ou imitância acústica.

Audiometria é o teste realizado por fonoaudiólogo para verificar a acuidade auditiva. O exame é feito em uma cabine acústica e necessita de equipamentos especiais, como o audiômetro, que é um aparelho que emite sons em decibéis em diferentes frequências.

O audiograma é um gráfico onde marcamos o teste auditivo. Coloca-se o fone no ouvido do paciente, que receberá sons de diferentes intensidades e frequências. Este processo é chamado de audiometria de tons puros. A partir daí, assinala-se com o símbolo X, em azul, para a orelha esquerda e O, em vermelho, para orelha direita.

Algumas vezes realizamos audiometria por via óssea, colocando um vibrador ósseo atrás da orelha e o som será percebido através do osso até a orelha interna.

  1. Audição Normal
  2. Presbiacusia

Depois do exame ser analisado, o próximo passo é a escolha do modelo e do circuito e, finalmente, a confecção do molde auricular para termos o aparelho. Coloca-se uma massa de silicone no interior da orelha do paciente para tirar a pré-moldagem.

Quais modelos existem?

  • Caixinha ou convencional: fixa-se na região external do paciente. O receptor é externo, fica à distância, ligado à prótese por um fio e é acoplado diretamente ao molde. Este modelo é indicado para crianças pequenas, adultos e idosos com problemas motores graves. Vantagem: é resistente, barato, e possui maior facilidade de encontrar pilhas. Ele pode ser usado monoaural binaural e pseudobinaural;
  • Haste de óculos: usado na década de 50. Modelo que deu origem ao retroauricular;
  • Vibrador ósseo: utilizado em perdas condutivas, para pacientes com agnesia de meato;
  • Retroauriculares: esteticamemte bem aceitáveis. São adaptados atrás da orelha e ligados ao molde através de um tubo plástico. Existem também os miniretroauriculares;
  • Intra-auriculares: Ocupa a concha e parte do meato acústico interno. Foi desenvolvido com advento do circuito integrado, o chip;
  • Intra-canais: Os mais procurados por fator estético;
  • Peritimpânico: São os menores e ficam bem próximos da membrana tímpânica;
  • Implantáveis Cocleares e Implanráveis da orelha média (BARA): Para casos específicos de alguns tipos de surdez. É indicado e selecionado por um médico;
  • Tampão: É um molde auricular de silicone indicado para pacientes com problemas de ouvido externo e médio.

Para mais informações e agendamentos, entre em contato pela Central de Atendimento (011) 5087-8787 ou clique no botão.