Mitos e verdades sobre a cera de ouvido

A chegada do Verão costuma aumentar o número de atendimentos de pacientes em prontos-socorros com a reclamação de ouvido tampado devido ao acúmulo de cera. Por conta do desconhecimento, muitas pessoas acabam piorando a situação ao tentar “resolver” o problema com soluções caseiras.

Para esclarecer os principais mitos e verdades a respeito do assunto, a otorrinolaringologista Marcéli Nicole Peixoto Paiva, do Hospital Paulista, aborda a seguir as principais consequências do excesso de cera nos ouvidos, assim como os tratamentos possíveis.

 

“A cera nos ouvidos só gera prejuízos” – Mito

A cera é uma substância benéfica, produzida pela pele do canal auditivo, que ajuda na proteção do ouvido e contém substâncias com propriedades antibacterianas.

 

“A cera precisa ser retirada periodicamente com hastes flexíveis” – Mito

De acordo com a otorrinolaringologista, o ouvido tem mecanismos próprios que permitem a expulsão lenta e periódica do excesso de cera. O uso de hastes flexíveis e semelhantes prejudica a atuação desses mecanismos. “Por isso, a remoção da cera por conta própria pelo paciente deve ser evitada ao máximo. Nos casos em que a cera esteja em excesso, prejudicando a audição e causando incômodo, o paciente deve procurar o otorrinolaringologista para que seja feita a remoção com os instrumentos e técnicas adequadas, após uma correta avaliação.”

Algumas pessoas podem ter uma produção maior de cera, mas há hábitos que favorecem o acúmulo e a compactação da cera no canal auditivo, como o uso de hastes flexíveis e a manipulação dos ouvidos com outros objetos, seja na tentativa de aliviar a coceira ou de retirar o cerume por conta própria. “Deve-se evitar ao máximo esses hábitos a fim de prevenir não apenas o acúmulo de cera, como também prevenir lesões na pele do conduto e na membrana timpânica, e até mesmo a perda auditiva.”

“O acúmulo de cera gera prejuízo momentâneo à audição” – Verdade

O mais comum é o acúmulo de cera e não uma produção em excesso da substância. Nesses casos, o paciente tem uma sensação de ouvido tampado, com consequente diminuição e abafamento da audição, que gera bastante incômodo. De acordo com a médica, alguns casos podem vir associados à coceira e à dor, geralmente de leve intensidade. Em outros, podem estar associados à inflamação do canal auditivo.

 

“A produção de cera depende de vários fatores” – Verdade

A produção depende de fatores como condições de pele, estado febril, irritações locais e até mesmo o estado emocional do paciente. Banhos de imersão em mar, piscinas e lagos não afetam a produção do cerume, mas podem causar sensação de ouvido tampado, o que leva a um aumento significativo da procura ao atendimento de otorrinolaringologia durante o Verão.

 

“A água não afeta a condição da cera nos ouvidos” – Mito

A entrada de água pode deslocar a cera já existente no canal auditivo, gerando o seu bloqueio. Da mesma forma, a simples presença da água já pode gerar uma sensação transitória de entupimento do ouvido. Isso costuma ser breve, melhorando após a evaporação ou escorrimento natural da água. Nesses casos, o ato de virar a cabeça com a orelha afetada para baixo e puxá-la levemente para trás pode ajudar no escoamento da água. Caso a sensação de obstrução da audição permaneça mesmo após essa manobra e não melhore após algumas horas, deve-se suspeitar da presença de cera impactada e até mesmo de outras condições como inflamações do canal auditivo, se houver também dor ou coceira. Assim, o paciente deverá procurar auxílio para o devido tratamento.

 

“O uso de fones interfere na situação da cera nos ouvidos” – Verdade

O uso de fones de ouvido do tipo intra-auricular, ou seja, aqueles que penetram o canal auditivo, pode ser danoso, pois eles “empurram” a cera para dentro, podendo gerar acúmulo da substância. De acordo com a médica, estes são os principais cuidados em relação aos fones de ouvidos:

– Dar preferência aos fones que não penetram o canal auditivo, como os que se encaixam na cartilagem da concha, os que se apoiam atrás da orelha e os que cobrem a orelha;

– Fazer a higienização periódica dos fones auditivos com álcool após o uso para evitar infecções;

– Escolher o modelo de fone de ouvido que mais lhe cause conforto. Caso algum determinado modelo cause dor persistente, evitar o uso e procurar auxílio com o otorrinolaringologista;

– Independente do modelo do fone de ouvido, deve-se evitar o volume demasiadamente alto nos fones, assim como a exposição prolongada ao som, pois intensidades sonoras altas e prolongadas muito próximas ao órgão auditivo podem causar lesões como perda auditiva e zumbido, que podem ser irreversíveis.

 

“Na maioria das vezes, o tratamento para o excesso de cera é indolor” – Verdade

A remoção da cera de ouvido é um procedimento rápido, na maioria das vezes indolor, e gera um alívio imediato dos sintomas. O médico irá detectar a causa das sensações relatadas pelo paciente e proceder à sua remoção, caso haja excesso. Nesse caso, o médico pode empregar as seguintes técnicas e instrumentos, dependendo de cada paciente:

1 – Irrigação (lavagem) com água limpa na temperatura corporal (através do auxílio de seringas ou duchas automáticas);

2 – Sucção da cera com uma sonda de aspiração fina;

3 – Remoção mecânica da cera com uma cureta delicada.

Em alguns casos, quando a cera está muito petrificada ou impactada, pode ser necessária a prescrição de gotas otológicas para “amolecimento” da mesma, alguns dias antes do procedimento, a fim de facilitar a remoção.

Surdez pode ocorrer em apenas um dos ouvidos, alerta Hospital Paulista

Entre as várias confusões que são feitas por pacientes e seus familiares é de que a surdez sempre atinge os dois ouvidos. De acordo com o otorrinolaringologista José Ricardo Gurgel Testa, do Hospital Paulista, algumas doenças geram predominantemente a surdez em apenas um dos ouvidos.

“São quatro cenários principais que podem envolver a surdez em apenas um dos ouvidos. Pode ser através de (I) uma infecção viral como a otite; (II) de uma lesão vascular da cóclea, hemorragia ou infarto; (III) devido a trauma; (IV) ou até mesmo por conta de tumores do nervo auditivo”, explica o especialista.

Ainda segundo o médico, engana-se também quem pensa que a surdez em um dos ouvidos gera apenas um desconforto. Nessa situação, o paciente já apresentará dificuldade de comunicação, pois perderá capacidade de localização da fonte sonora, ainda que escute perfeitamente com o outro ouvido.

Até mesmo o lado em que ocorre a surdez influenciará nas dificuldades vividas pelo indivíduo. Conforme explica o médico, as pessoas podem ter dominância cerebral do lado esquerdo ou do lado direito. A maioria tem dominância cerebral e cognitiva na parte direita do cérebro.

“Se essa pessoa tiver, portanto, perda auditiva do lado direito, seu raciocínio será mais comprometido principalmente quando precisar usar a audição em locais ruidosos, pois sua dominância cerebral também está daquele lado”, completa.

 

Adaptação

Se a perda auditiva em dos ouvidos não é total, o paciente poderá corrigir o problema de forma simples, com um aparelho auditivo. No entanto, em casos de perdas totais ou mais severas, a idade da pessoa será preponderante para o sucesso do tratamento. Quanto mais velho, maiores serão as dificuldades para a recuperação.

“Em relação à adaptação, mesmo se não houver tratamento adequado, o paciente que desenvolveu surdez em um ouvido durante a infância ou adolescência acaba registrando certa adaptação no cérebro para conviver com a dificuldade. No idoso, essa adaptação é muito mais difícil”, afirma.

 

Sintomas

E como perceber que a surdez ocorre em somente um dos ouvidos antes de consultar um médico? De acordo com o otorrinolaringologista, é essencial que familiares e pessoas próximas observem a queixa do paciente, especialmente se for alguém idoso que, naturalmente, terá mais dificuldades para expor com clareza suas dificuldades.

“O paciente irá relatar pressão e zumbido em apenas um dos ouvidos, como se estivesse obstruído. Pode haver uma confusão da própria pessoa também em relação à gravidade do problema. Ou ele entende que a perda auditiva é grande, quando não é. Ou entende que a perda é leve, quando na verdade é mais severa”, explica o médico.

Segundo ele, somente com o exame auditivo será possível avaliar o grau da perda, realizar o diagnóstico correto e proceder ao tratamento mais adequado.

Como diferenciar sintomas de Covid-19 de uma gripe comum ou alergias?

Ainda que estivesse no centro das atenções globais durante todo o ano de 2020, a Covid-19 segue chamando a atenção da comunidade médica pela forma como os sintomas se manifestam em cada pessoa. De acordo com Gilberto Pizarro, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, esse cenário faz com que muitos pacientes ainda tenham dúvidas para diferenciar o novo Coronavírus da gripe comum, rinite e sinusite.

“Essa incerteza pode fazer com que o paciente relute em procurar auxílio médico, pois teme que o ambiente hospitalar aumente os riscos de infecção pelo novo Coronavírus (caso ainda não esteja infectado). Se, logo de início, ele se dirige a uma unidade especializada, é possível tratar com mais eficácia as doenças a partir do diagnóstico”, explica o otorrinolaringologista.

Alguns dos sintomas mais comuns da Covid-19 podem ser confundidos em uma análise superficial com os de uma gripe comum ou de doenças alérgicas, como rinite e sinusite. De acordo com o especialista, quadros de rinite e sinusite são mais concentrados no nariz, garganta e olhos do paciente.

“A rinite é uma inflamação da mucosa do nariz. A pessoa costuma apresentar coriza (secreção no nariz), coceira no nariz e espirros em sequência. Além disso, o nariz fica naturalmente congestionado”, afirma Pizarro.

Na sinusite, a inflamação ocorre na mucosa que reveste os seios da face. Com isso, os sintomas também incluem dor facial, nos ouvidos e atrás dos olhos. Além disso, o paciente pode relatar dor ou irritação na garganta e inchaço facial.

“No dia a dia, quem tem quadros recorrentes de rinite e sinusite geralmente consegue identificar os gatilhos das crises, bem como os sintomas que mais o acomete”, completa o médico.

Na gripe comum, no entanto, o quadro de sintomas não fica restrito à congestão e secreção nasal. Nessa situação, o paciente relata febre, mal-estar e dor no corpo. A qualificação de todos os sintomas é importante porque a Covid-19 também gera febre, por exemplo.

“O paciente com Covid-19 costuma ter tosse seca e cansaço, mas, em quadros mais graves, pode apresentar dificuldade para respirar, falta de ar e pressão (aperto) no peito. No entanto, não necessariamente haverá coriza e congestão nasal. Isso é determinante para uma das diferenciações entre essas doenças (gripe comum, rinite e sinusite) e o novo Coronavírus”, destaca Pizarro.

“A perda de olfato é um dos sintomas características da Covid-19, mas, aqui, ela ocorre de forma súbita. Nas outras doenças citadas, essa perda de olfato é mais leve e está associada a um quadro de congestão nasal por conta da coriza. O Covid-19 também pode gerar perda de paladar, outra diferença em relação às demais”, completa.

 

Ajuda especializada

Algumas unidades hospitalares oferecem atendimento especializado para determinadas áreas da Medicina. No caso do Hospital Paulista, diagnósticos e tratamentos são voltados para a Otorrinolaringologia. Isso permite que pacientes com rinite e sinusite procurem por auxílio específico, diminuindo sensivelmente as chances de contaminação por Covid-19 em um ambiente de atendimento generalizado.

“Ao chegar ao hospital, o paciente recebe o primeiro atendimento com uma enfermeira, que verifica sua temperatura e avalia seus sintomas e histórico. Se a pessoa relatar sintomas específicos de Covid-19 ou informar que teve contato recente com alguém infectado pelo vírus, é direcionada a um ambiente isolado e controlado. Lá, fará um teste para verificar se está com a doença e será avaliada para sabermos se ela pode ser isolada (e tratada) em sua residência ou se precisa ser internada”, explica o otorrinolaringologista.

Se os sintomas (e o histórico clínico relatado), no entanto, são característicos de uma gripe comum, rinite ou sinusite, o paciente é tratado na área principal do hospital, sem qualquer contato com a ala responsável pelo diagnóstico dos suspeitos de Covid-19. Vale ressaltar que o Hospital Paulista não é uma unidade hospitalar de referência para internação e tratamento dos casos de Covid-19.

“Isso reduz os riscos e não deixa de oferecer um tratamento adequado, rápido e eficaz ao paciente, independente da doença que ele apresenta. Deixar de tratar quadros de gripe comum e alergias como rinite e sinusite é muito prejudicial, pois pode agravar os sintomas e dificultar o próprio tratamento posteriormente”, conclui.

Reabilitação auditiva após cirurgia de implante coclear é essencial para o êxito do paciente

Quem tem deficiência auditiva poderá se deparar em algum momento com a indicação médica pelo implante coclear. A cirurgia não é simples, mas um dos aspectos mais importantes aos pacientes que passam pelo processo é realizar um rigoroso acompanhamento médico após a cirurgia, juntamente com a terapia fonoaudiológica, que permitirão sua eficaz reabilitação.

De acordo com o otorrinolaringologista José Ricardo Gurgel Testa, do Hospital Paulista, a cirurgia consiste em uma pequena incisão atrás da orelha e uma mastoidectomia (remoção de tecido no ouvido), por onde é inserido o dispositivo eletrônico. O paciente que recebe o implante coclear costuma ficar apenas um dia internado, sendo que os maiores cuidados e limitações do pós-operatório geralmente duram de 10 a 15 dias.

“Não há limitação de idade para realizar a cirurgia do implante coclear, embora a recomendação para crianças seja operar a partir dos seis meses de vida. Dentre as possíveis indicações médicas para o uso do aparelho, a principal está relacionada a casos de perda auditiva bilateral (nos dois ouvidos) profunda ou severa”, explica o médico.

O cenário descrito pelo otorrinolaringologista ocorre quando o paciente registra perda auditiva pior do que 60 decibéis, associada a uma taxa de discriminação menor do que 50%. “A taxa de discriminação é medida a partir do exame de audiometria, quando o paciente deve ouvir e repetir um determinado número de palavras”, explica o médico, que aponta ainda uma segunda indicação para o procedimento.

“O implante coclear também pode ser indicado em casos de perda auditiva unilateral (em um ouvido) na qual o paciente tem um zumbido incapacitante na orelha surda”, completa. Em ambos os casos, o paciente apresenta uma incapacidade auditiva tão severa que os tradicionais aparelhos auditivos não são suficientes para restaurar ou melhorar sua condição.

Diferentemente dos aparelhos auditivos tradicionais, o implante coclear não somente amplia o volume dos sons que o paciente escuta, mas melhora também a taxa de compreensão. O aparelho tem o objetivo de substituir as funções das células do ouvido interno, de modo a estimular o nervo auditivo e recriar as sensações sonoras.

 

Terapia com fonoaudiólogo

De acordo com a fonoaudióloga Sabrina Figueiredo, do Hospital Paulista, o acompanhamento multidisciplinar já é recomendado antes da cirurgia. No entanto, após a inserção do implante coclear é essencial que o paciente passe pela reabilitação junto a um fonoaudiólogo.

“Essa reabilitação precisa ter início logo após a ativação do processador de fala, geralmente uma ou duas vezes por semana. A estratégia utilizada para a reabilitação irá variar de acordo com a idade do paciente”, explica Sabrina. Em crianças, a habilitação (ou reabilitação) é feita com foco no desenvolvimento das habilidades auditivas (detecção, identificação e reconhecimento dos sons ambientais e de fala) de forma lúdica, com incentivo para que os pais e familiares também estimulem o paciente a explorar a linguagem no dia a dia.

“No caso do adulto, os métodos são definidos de acordo com a evolução do paciente. Verificamos inicialmente o desempenho em relação às habilidades auditivas, que poderão ser resgatadas com o uso efetivo do implante coclear. O paciente também deverá voltar a detectar e identificar os sons, evoluindo até que esteja apto a reconhecer a fala. Assim, terá sua comunicação oral reabilitada, além da melhora na articulação e pronúncia da fala”, afirma a fonoaudióloga.

Conforme explica Sabrina, a reabilitação é um trabalho muito importante, complexo e deve ser um compromisso firmado pelo paciente e por seus familiares para que o implante coclear, de fato, gere o efeito esperado.

“Mesmo no caso do adulto que já sabia falar, será necessário reaprender a ouvir a partir do estímulo elétrico gerado pelo dispositivo. O implante transforma os sons acústicos (que ouvimos normalmente) em pulsos elétricos e possibilita que estes estímulos sejam levados até o cérebro, onde são interpretados como sons pelo córtex auditivo. Não é um estímulo natural e é por isso que o paciente precisa de terapia, treinamento e reabilitação auditiva e de linguagem”, conclui Sabrina.

Novidade – Videonistagmografia

Novidade do Hospital Paulista na reta final de 2020 é a segunda unidade do videonistagmógrafo. O aparelho é responsável pela videonistagmografia, um exame capaz de testar a função do labirinto e as suas funções neurológicas relacionadas.

O procedimento permite aferir, por exemplo, se a tontura é causada pela vertigem posicional paroxística benigna ou pela doença de Menière (enfermidades do ouvido interno) ou ainda se está relacionada a doenças neurológicas, como a esclerose múltipla ou um acidente vascular cerebral.

“A segunda unidade do videonistagmógrafo permite ao Hospital Paulista ampliar seu atendimento, resultando em maior comodidade aos pacientes. Trata-se de um exame muito importante, responsável pela avaliação vestibular, e essencial no diagnóstico correto e preciso dos pacientes que se queixam de tontura”, explica o otorrinolaringologista Ricardo Schaffeln Dorigueto.

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho também requer adaptação

Em 03 de dezembro, o mundo comemora o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992 para celebrar o fim do ciclo iniciado em 1983 (ano em que a entidade adotou o Programa Mundial de Ação a respeito das Pessoas com Deficiência). A própria Organização estima que 10% da população mundial tenha algum tipo de deficiência.

No caso da professora e tradutora Cristina Faraj, a deficiência motora teve origem no nascimento, devido à falta de oxigenação no cérebro por um curto período (anoxia). “Hoje tenho um problema de coordenação motora. É uma condição que me fez enfrentar bullying e preconceito, seja na formação escolar, seja na inserção do mercado de trabalho. Em alguns momentos tive vontade de tentar esconder essa limitação, mas hoje sou feliz pelas minhas conquistas”, afirma.

Cristina é formada em Letras (Inglês-Tradução) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e ingressou no Estado logo na primeira vez em que prestou concurso público. Apesar do sucesso profissional, logo no início da carreira a professora teve dificuldades para conseguir um emprego e sentiu que a deficiência motora era uma das principais razões para as recusas.

 

Legislação e inclusão

São consideradas pessoas com deficiência aquelas que têm impedimento de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, que impeça a participação plena e efetiva na sociedade, em igualdade de condições. No Brasil, o Decreto nº 5.296/2004 descreve os diferentes tipos de deficiência.

Além disso, a Lei nº 8.213/1991, conhecida como Lei de Cotas, prevê uma série de medidas com o objetivo de inserir e integrar pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Empresas a partir de 100 colaboradores têm a obrigação de empregar uma parcela de pessoas com algum grau de deficiência. A cota mínima varia entre 2% e 5%, dependendo do total de trabalhadores na empresa.

Para a fonoaudióloga do Hospital Paulista Christiane Nicodemo, no entanto, as empresas devem se preocupar em não apenas empregar a pessoa com deficiência, mas também integrá-la à empresa, respeitando suas dificuldades e promovendo suas potencialidades.

“Quando contrata e emprega um funcionário com deficiência, a empresa não está apenas cumprindo a lei. Está promovendo uma função social, humanitária. Para isso, é preciso que a área de Recursos Humanos tenha a sensibilidade de facilitar o ambiente de trabalho de acordo com a deficiência do novo colaborador, capacitar os gestores e os demais funcionários, de modo que a pessoa não se sinta acuada, preterida ou discriminada em seu cotidiano laboral”, avalia a especialista.

Cada forma e grau de deficiência requerem adaptações específicas no ambiente de trabalho. Contratar um cadeirante para um local com escadas e sem elevadores/rampas, por exemplo, impede que o trabalhador interaja corretamente com os colegas e superiores e limita seu desenvolvimento.

 

Deficientes auditivos

No caso específico dos deficientes auditivos, a fonoaudióloga Christiane ressalta que um dos aspectos mais importantes é que o ambiente de trabalho – principalmente no espaço de quem tem alguma limitação – seja bem iluminado, com sinalizações claras e de fácil acesso. Além disso, é essencial que os outros funcionários sejam orientados sobre as formas corretas de interagir com o deficiente auditivo.

“É preciso sempre sinalizar a essa pessoa quando desejamos falar com ela. Dê um toque no ombro, se aproxime, fale de frente à pessoa. Ao sair para almoçar ou tomar um café, convide-a. Promova o deficiente auditivo ao convívio com o restante da equipe e evite informar os funcionários apenas pela linguagem falada. Invariavelmente, você irá se movimentar e a pessoa com limitação auditiva não conseguirá acompanhar a mensagem. Além disso, fique atento às próprias estações de trabalho. As divisórias precisam ser, no máximo, de acrílico para permitir que o deficiente auditivo tenha uma melhor compreensão da comunicação”, explica.

Nos últimos anos, iniciativas públicas e privadas têm oferecido cursos de capacitação para pessoas com deficiência. Um dos objetivos é afastar completamente uma das teses de muitas empresas que não cumprem a lei, ao alegarem que o mercado não oferece deficientes físicos capacitados

“O governo de São Paulo vem promovendo cursos gratuitos de qualificação. A Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) também oferece um programa de cursos gratuitos. É muito importante que outros setores da indústria e de serviço desenvolvam iniciativas semelhantes, de modo a capacitar esses profissionais para um leque maior de funções”, diz Christiane.

 

Reabilitação

Quem tem algum grau de deficiência pode também reabilitar-se a partir de terapias específicas, aparelhos de auxílio e cirurgias que o ajude a diminuir a limitação, seja ela qual for. Cristina destaca, no entanto, que a abordagem da reabilitação ao profissional com deficiência deve ser feita de um modo que respeite sua própria vontade, sua independência e seus interesses profissionais.

“Por exemplo, passei por uma escola em que sofri certo preconceito de alunos e colegas da docência por conta da minha limitação motora. A então diretora insistia constantemente que eu deveria passar pela readaptação. Para uma pessoa que tem alguma deficiência, isso não é algo fácil de ouvir. Até que um dia, sem qualquer aviso prévio, fui chamada a uma reunião na qual me informaram que eu teria de começar a readaptação. Fiquei sem reação, saí bem chateada. A readaptação me fez bem, mas a forma como foi conduzido esse pedido foi desgastante”, conta.

Independentemente do tipo e do grau de deficiência, é importante ressaltar que profissionais com alguma limitação podem realizar uma enorme gama de funções. Para isso, é preciso que a lei seja cumprida, mas também que empresas, gestores de recursos humanos e os próprios trabalhadores se conscientizem sobre a importância de inserir e integrar pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

“O trabalho tem também a função de ressignificar a vida da pessoa com deficiência. Uma cultura de inclusão permite esses profissionais participem ativamente do ambiente de trabalho, compreendendo suas limitações, mas também cientes do quanto podem evoluir e crescer”, afirma a fonoaudióloga.

“Entendo que as pessoas devem se esforçar para evoluir, mas quem tem alguma dificuldade não pode ser deixado para trás. Fala isso como educadora e como alguém que tem uma limitação motora. É preciso promover essa inclusão e ajudar quem tem qualquer tipo de deficiência a caminhar lado a lado com as outras pessoas”, conclui Cristina.

Prevenção de perda auditiva deve ser iniciada ainda na juventude, alerta especialista

Novembro é considerado o mês oficial de Prevenção e Combate à Surdez no Brasil. Mais do que ressaltar a importância do diagnóstico precoce, a campanha tem a missão de alertar os jovens sobre a possibilidade de prevenir futuras perdas auditivas a partir de mudanças simples no dia a dia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima em cerca de 466 milhões o número de pessoas em todo o mundo com algum grau de surdez. De acordo com a entidade, no entanto, cerca de 1,1 bilhão de jovens com idades entre 12 e 35 anos correm o risco de sofrer perda de audição nos próximos anos devido ao uso exagerado de fones de ouvidos (em volume alto) e à exposição frequente a ambientes como shows e casas noturnas, que também contam com ruídos em volume superior.

Para Arnaldo Tamiso, otorrinolaringologista do Hospital Paulista, o problema está no volume do som e no uso sem intervalos dos fones de ouvido, que ganharam popularidade nas últimas duas, três décadas, e passaram a chamar a atenção da comunidade médica para a importância da prevenção entre os jovens.

“Associado à predisposição genética para a surdez, o uso inadequado de fones de ouvidos aumenta o risco de o paciente jovem registrar perda auditiva precoce (por volta dos 40, 50 anos)”, explica o médico, ressaltando que a utilização do aparelho aumentou durante a quarentena, seja através dos jovens que têm aulas à distância, seja por meio dos adultos trabalhando de forma remota.

Segundo ele, o grande problema do fone de ouvido é o volume do som e o tempo de utilização. “O aceitável, em termos de fone ou fontes sonoras durante o dia, é fazer uma pausa de uma hora a cada três horas de uso. Além disso, é preciso não exceder o volume que o próprio aparelho de telefone ou de áudio muitas vezes indica como inadequado. Esse marcador geralmente fica vermelho quando o indivíduo entra nos últimos 30% da capacidade de volume dos fones. É a partir daí que o uso pode gerar problemas auditivos, seja ao jovem ou ao adulto”, ressalta.

O especialista recomenda também que o jovem (ou seu responsável) procure um otorrinolaringologista caso note algum zumbido ou ruído estranho nos ouvidos, especialmente após o uso dos fones. Por meio do exame da audiometria, será possível aferir se o paciente já registra algum grau de perda auditiva.
“Esse exame é simples, não é invasivo e dura cerca de 10 minutos. Dependendo do grau de perda de audição, é possível utilizar medicamentos que são vasodilatadores ou anti-inflamatórios, para o caso de traumas de audição. Esses são os principais cenários nos quais o paciente pode recuperar a audição. Quando a surdez é provocada por tumores, o tratamento também pode proporcionar a retomada da audição, desde que os danos no sistema auditivo não sejam tão graves”, afirma.

No entanto, destaca o médico, a perda de audição ou surdez genética não permitem recuperar integralmente a condição do paciente. “Somente através de aparelhos auditivos o paciente poderá escutar melhor, já que os nervos do ouvido não se regeneram”, completa o médico.

Ainda de acordo com o especialista, a iniciativa de dedicar o mês de novembro à prevenção e combate à surdez é importante porque joga luz sobre um problema que costuma ser ignorado pela população mais jovem. E os hábitos atuais, associados a uma predisposição genética, sinalizam que é justamente esse um dos públicos que mais deve se atentar ao acompanhamento médico adequado.

“É necessário prevenir. E é justamente na juventude que iniciamos os cuidados para evitar uma perda auditiva que poderá aparecer na terceira idade, mas que também é possível em indivíduos com 40 ou 50 anos”, finaliza o otorrinolaringologista.

O exame de audiometria é realizado pelo Hospital Paulista em seu Centro de Medicina Diagnóstica em Otorrino. O procedimento não requer internação ou anestesia e pode ser realizado em pacientes de todas as idades, a partir da recomendação e acompanhamento médico.

Outro exame específico para detecção de surdez e perda de audição é o de Otoemissões Acústicas por Produto de Distorção. Também realizado no Hospital Paulista, o procedimento é especialmente utilizado em recém-nascidos, de modo a aferir possíveis alterações na audição logo após o parto.

Novembro Laranja chama a atenção para diagnóstico e tratamento multidisciplinar do zumbido

A campanha Novembro Laranja tem como objetivo conscientizar a população para o problema do zumbido nos ouvidos. Estima-se que 278 milhões de pessoas em todo o mundo sofram com o distúrbio, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para a otorrinolaringologista do Hospital Paulista Cristiane Passos Dias Levy, é importante ressaltar que o zumbido é um sintoma e não uma doença. Dessa forma, tanto o diagnóstico quanto o tratamento devem ser multidisciplinares.

“O zumbido pode ter uma ou várias causas. Pode derivar de uma doença otológica, como a perda auditiva induzida por ruído ou a presbiacusia (relacionada à idade), mas também pode surgir a partir de problemas farmacológicos e vasculares, cardiovasculares (anemia), metabólicos (diabetes e alteração na glândula tireoide), neurológicos, odontogênicos (disfunção na articulação da mandíbula e nos músculos ao redor),” explica.

Os hábitos do paciente também são avaliados pelos médicos, pois podem influenciar na ocorrência e no agravamento do sintoma. O estresse, o consumo excessivo de cafeína, cigarro e álcool, por exemplo, pode em alguns casos ser determinante para a manifestação do zumbido.

Como o tratamento ao zumbido depende de sua causa, é comum que envolva mais de uma especialidade médica, para descartar possíveis outros problemas. “Diagnóstico e tratamento podem contar com o trabalho do otorrinolaringologista, fonoaudióloga, fisioterapeuta e especialista bucomaxilofacial, entre outros”, afirma a médica.

Além disso, se engana quem pensa que o zumbido acomete somente a população idosa. Ainda que seja mais comum em pessoas acima dos 65 anos, os jovens também podem apresentar o sintoma, especialmente quando fazem uso exagerado e constante de fones de ouvido em volume inadequado.

“Ainda assim, a condição se manifesta com maior frequência em idosos. Um estudo realizado na cidade de São Paulo atestou a prevalência do zumbido em 22% da população. Entre os jovens, o índice foi de 12% e entre os idosos, de 36%. Ainda que não existam estudos recentes e abrangentes sobre o problema, a prática clínica aponta para maior ocorrência, de fato, entre aqueles com mais de 65 anos”, complementa.

O exame recomendado para identificar o tipo e a intensidade do zumbido é a Acufenometria, realizado pelo Hospital Paulista em seu Centro de Medicina Diagnóstica em Otorrino. O procedimento não requer internação ou anestesia e pode ser feito em pacientes jovens e idosos, a partir da recomendação e acompanhamento médico

A indiferença com que muitos tratam o zumbido também faz com que o quadro seja agravado. Muitos pacientes e/ou familiares consideram o sintoma como algo natural da idade avançada e deixam de procurar auxílio médico adequado.

“Essa indiferença atrapalha no diagnóstico precoce. Em alguns casos, a simples mudança de hábitos já é suficiente para melhorar o quadro de forma significativa”, avalia a otorrinolaringologista, que ressalta ainda a importância da campanha do Novembro Laranja.

“O Novembro Laranja é importante para conscientizar a população para que recorra ao diagnóstico médico, a partir de um exame clínico completo, que compreenda a apuração audiológica e avaliações complementares”, finaliza.

Já ouviu falar em surdez oculta? Não? É melhor conhecer o problema

Você está em um bar com amigos e tem dificuldade para entender o que as pessoas falam, apesar de ouvir com clareza outros sons ambientes. Se esse tipo de problema se repete com frequência, pode indicar o que os médicos e cientistas passaram, há menos de uma década, a caracterizar como surdez oculta.

A doença, na verdade, trata-se de uma série de neuropatias auditivas que começaram a ser chamadas por esse nome. A lista de sintomas da surdez oculta ainda está em formação, mas o mais comum é a dificuldade de compreender alguns sons, que piora em ambientes ruidosos.

 

Por que oculta?

A surdez oculta tem difícil diagnóstico. Ela normalmente não é detectada em exames clínicos e testes convencionais. Parece até que a pessoa escuta bem, só que não. É daí que vem seu nome.

Os pacientes conseguem distinguir sons puros em qualquer volume, mas têm dificuldade de discriminar palavras misturadas a outros ruídos — como música ambiente ou talheres batendo nos pratos em um restaurante.

Isso pode ser resultado de algum problema no caminho entre as estruturas do ouvido que captam os sons e o cérebro, que ‘lê’ as mensagens enviadas por elas. Ou seja, a pessoa até “escuta” o que foi falado, mas o cérebro não “entende”.

Outra possibilidade é que o som captado em um ouvido chegue mais rápido ao cérebro do que o escutado no outro, porque os nervos têm velocidades diferentes. Aí, a mensagem fica confusa. Algumas doenças degenerativas, como Alzheimer, também podem comprometer a sincronia da comunicação entre ouvidos e cérebro.

 

Mas o que provoca o problema?

Uma das hipóteses para a surdez oculta, levantada por um grupo de pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, é de que ela seria causada pela exposição prolongada a sons altos – ou  o uso frequente de fones de ouvido. Os cientistas suspeitam que ficar exposto a ruídos por tempo prolongado afeta a produção de neurotransmissores –substâncias importantes para a comunicação entre os neurônios e o restante do corpo.

A surdez oculta pode ser tratada com medicamentos, terapia auditiva ou com aparelhos e implantes. Como seu diagnóstico é difícil e não há um perfil específico de pessoas que podem ser afetadas pelo problema, é muito importante ficar atento e procurar um médico caso perceba que está com dificuldade de compreender diversas conversas.

Fontes: José Ricardo Gurgel Testa, médico otorrinolaringologista do Hospital Paulista; e

Rubens de Brito, presidente da Sociedade Brasileira de Otologia e professor da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

Por que as crianças sofrem mais com infecções no nariz, ouvidos e garganta?

Se tem algo que causa temor e angústia nos pais é ver o filho doente. Independente da gravidade do caso, o sofrimento dos pequenos costuma gerar uma sensação de impotência. Nesse sentido, infecções recorrentes no nariz, nos ouvidos e na garganta são uma das principais causas a tirar o sono dos pais, principalmente nos primeiros anos das crianças.

Afinal, por que o processo infeccioso nessas regiões do corpo é mais comum em crianças do que em adultos? De acordo com as otorrinolaringologistas Cristiane Mayra Adami e Leila dos Reis Ortiz Tamiso, do Hospital Paulista, parte da explicação está na imunidade mais baixa dos pequenos, que só será formada definitivamente na pré-adolescência.

“Os tecidos de proteção local da criança na garganta e no nariz são as amígdalas e a adenoide. De forma natural, a criança tem a higiene um pouco mais defasada do que a do adulto, pois leva tudo à boca, inclusive as mãos. Dessa forma, sua imunidade tem que trabalhar muito mais. E onde produz essa imunidade local? Nas amígdalas e na adenoide, que aumentam de tamanho para produzirem mais células de defesa. É aí que ocorre a hipertrofia da adenoide e da amígdala, que tem como consequências as infecções de garganta, nariz e ouvido”, explica Leila.

Cristiane ressalta outros dois fatores que contribuem para uma maior incidência destas infecções nos pequenos. “A criança que está escola tem contato com todo mundo. Assim, a escola é o principal fator de disseminação das infecções nas crianças”, explica a otorrinolaringologista. De acordo com ela, entretanto, os pais não devem esperar o passar dos anos para buscar tratamento médico.

“Essas infecções de repetição podem prejudicar a criança. Vamos deixar essa criança sofrendo e tomando antibióticos uma vez por mês, destruindo, portanto, a imunidade do seu intestino? Temos exemplos de crianças que tomam antibiótico todos os meses. Terminam um, passam alguns dias bem e ficam doentes de novo. Para caracterizar essa repetição, falamos no mínimo de 3 a 4 vezes com infecções em um ano. No entanto, tudo depende da intensidade da doença. Se a criança sente muito os efeitos das infecções, não consegue fazer nada, não consegue ir à escola, já é indicação de tratamento cirúrgico. O melhor é prevenir”, complementa Cristiane.

Alguns outros sintomas ajudam os pais a identificarem se a criança está sofrendo com as infecções recorrentes. Dificuldades auditivas, ronco, sono muito agitado e dificuldade de alimentação são alguns deles.

“Às vezes, os pais entendem que as infecções são normais, pois eles também tiveram durante suas infâncias. O tempo vai passando, eles deixam de tratar e perdemos o momento correto para realizar o diagnóstico e o tratamento. Isso tem extrema importância. Para que a criança tenha um bom desenvolvimento físico e psicológico, é preciso que todos os seus sistemas – de imunidade e de crescimento, por exemplo – estejam em evolução. O hormônio de crescimento é produzido durante a madrugada. Se a criança não dorme direito, provavelmente não terá um desenvolvimento adequado. A recomendação, portanto, é sempre procurar um otorrino para verificar essas questões”, complementa Leila.

Ao diagnosticar problemas na adenoide ou nas amígdalas, frutos de infecções recorrentes, Cristiane explica que o tratamento inicial irá priorizar soluções clínicas, com o uso de medicamentos e vacinas.

“Se o tratamento clínico não é suficiente ou eficaz, indicamos tratamento cirúrgico. Alguns casos, no entanto, requerem cirurgia de imediato. Na apneia do sono, por exemplo, a indicação primordial é cirúrgica, pois a criança pode sofrer paradas respiratórias enquanto dorme. Sempre buscamos o tratamento clínico, mas a cirurgia pode ser necessária em alguns cenários”, avalia.

Na maioria dos casos, as cirurgias de amígdalas e adenoide são feitas em conjunto. Os pais, no entanto, devem se preparar para o pós-operatório do procedimento, já que a criança precisa permanecer em repouso e pode reclamar de algumas dores. O ideal é que essas cirurgias sejam realizadas ainda na infância, desde que haja indicação médica.

“O adulto passou mais tempo com esse problema e naturalmente sentirá muito mais dor após o procedimento cirúrgico”, conclui Cristiane.